“Não tenho muito ciúmes, só o normal”

 

Você ainda não percebeu, mas teu ciúmes está te matando.
Mas antes disso vamos falar sobre o dito “ciúmes normal”. Veja bem, o normal para a pessoa A pode ser completamente diferente da pessoa B. Então essa qualificação não é tão precisa. Não tem problema você admitir que tem ciúmes, o problema é você não saber controlá-lo. Então esqueça esse papo de “tenho ciúmes normal”, mas sim reflita se você é alguém que consegue controlar seu ciúmes. E aí que a dúvida nasce: você é esse alguém?

O ciúme incontrolável não mata só a você, mas a relação que você tenta manter.
O ciúme é um problema que se manifesta de formas diferentes. Nem sempre é apenas sobre interrogatórios do tipo “quem é aquela pessoa?”, muitas vezes é sobre “vamos embora logo?” O ciúme também se manifesta em forma de possessividade, quando um dos dois em uma relação não admite que vivam com outras pessoas em nenhum outro momento que não os obrigatórios, tais quais aniversários, por exemplo. Ou só quando alguém não faz nada sem a companhia de outro alguém; quando alguém precise ter por perto, saber onde está, fazendo o que e com quem.

Se você é do tipo de gente que fica de olho no celular de quem você vive uma história só para saber com quem a pessoa está falando, você é alguém completo em ciúmes. Se você fiscaliza as fotos que a pessoa curte, você é alguém complete em ciúmes. Se você é do tipo de gente que sempre pergunta tudo o que a pessoa conversou com alguém, você é alguém completo em ciúmes. Se você é do tipo de gente que não sabe respeitar o espaço e individualidade entre você e a pessoa com quem vive uma história, você é alguém complete em ciúmes. E você me parece também alguém completamente perdido.

Ciúme também está relacionado a um gigante problema de insegurança. Há quem diga que os traumas do passado são as justificativas do ciúme do presente; é algo sobre o medo de ser deixado para trás como foi outrora, é algo sobre como se esforçar para não viver tudo de ruim que viveu com alguém antes. E aqui temos outro problema: os traumas do passado não podem comprometer os dias do futuro. Portanto, este papo não é bacana. É como se você obrigasse alguém a aceitar todo o seu ciúme, afinal, VOCÊ passou por coisas ruins antes. É um grande egoísmo sentimental.

Ciúme todo mundo tem. O problema não é esse. O problema é quando ele começa a ser maior que qualquer outro sentimento, especialmente, a confiança. Alguém que confia em alguém é alguém que sabe controlar o ciúme. Ao mesmo tempo que, alguém que não dá motivos de desconfiança para alguém, é alguém que colabora para não haver ciúme na relação. À parte desses exemplos, é profundamente perigosa uma relação possessiva onde alguém da história manipula o coração de outra pessoa, confundindo o cérebro, para que esta outra pessoa deixe de ser si mesmo para agradar ambos. É bem sério quando alguém pede para alguém parar de falar com outro alguém só porque, por exemplo, “não foi com a cara”. É ainda mais sério quando alguém pede para alguém ACABAR COM A AMIZADE que já existia antes só porque “não bateu o santo” ou coisa do tipo. Esta é uma relação abusiva disfarçada de relação sincera. Relacionamentos não são contratos cheios de cláusulas para cumprir.

Reflita sobre o seu ciúme. Reflita se talvez você não esteja sendo uma pessoa sentimentalmente manipuladora e que faz uso do sentimento construído entre vocês dois para satisfazer seus desejos. Reflita se majotariamente a preocupação é sempre sobre você e nunca sobre a pessoa. Reflita se a pessoa com quem você vive uma história está feliz de verdade como ela te responde que sim quando você pergunta. Reflita se ela não está só evitando aumentar problemas. Reflita se o teu ciúmes saiu do seu controle de tal forma que até parece normal hoje em dia.

Você ainda não percebeu, mas teu ciúmes está te matando. Mas você pode perceber.

por Márcio Rodrigues.
@marciorodriguees
umtravesseiroparadois@gmail.com

Quando o perfume da pessoa fica na nossa roupa

Vocês combinaram e saíram.
Inclusive saíram daquele papo de “vamos combinar um dia” e realmente combinaram.
Marcaram de fazer algo que os dois gostassem.
Tudo correu bem, tudo foi muito bom.
Uma despedida. “Adorei hoje”, “eu também”. E aí você voltou para casa.
E, no caminho de volta, percebeu que não estava sozinho. Havia uma novidade te acompanhando nessa volta solitária e cheia de pensamentos que não paravam de nascer. E você não percebeu essa novidade intencionalmente, foi algo que te surpreendeu e te deu até algum susto. Havia um cheiro novo em você. Um cheiro que não estava com você na ida mas estava fazendo parte da sua volta. Você puxou um pouco sua roupa e lá estava ele: o perfume da pessoa. E você sorriu meio sem graça. Forçou com a memória para tentar lembrar-se de qual momento em que esse perfume saiu do corpo da pessoa para fazer parte da sua roupa. E não conseguiu lembrar direito. Era uma sensação estranha, boa, mas estranha, sei lá, engraçada. Parecia que a pessoa estava voltando para casa com você. Era como se um pouco dela fosse dormir com você. Era aquele mesmo perfume que te roubou a atenção logo no primeiro oi. Lembra?

Você chegou em casa. Escolheu não tomar banho. Deixou sua roupa na cama e o mais louco aconteceu ao colocar a roupa de dormir: o perfume da pessoa ainda estava muito presente, ainda estava ali completamente e você se deu conta então que aquele perfume não estava só na sua roupa, mas sim na sua pele. O perfume se agarrou ao seu corpo feito abraços no inverno. E perceber isso te levou de volta para aquelas horas atrás, aqueles momentos, todo o passeio e tudo o que houve. O perfume da pessoa te levou até ela novamente.

Não é só um perfume na roupa. É a pessoa toda.
Não é só um perfume. É um resgate de lembranças tão recentes, logo ali de antes do “me avisa quando chegar em casa?”. É voltar para os bons momentos de horas atrás. É vir a mente de novo o jeito que a pessoa dá risada e a opinião dela sobre as coisas, das pequenas às maiores. Não é só um perfume. É imaginar o momento em que essa pessoa fez o perfume beijar a própria pele. É pensar que, pelo menos durante o simples abraço de oi ou de tchau, você foi a pessoa mais perto dessa pessoa no mundo, você e o perfume dela se tornaram uma coisa só entre os braços. É um pouco dessa pessoa ficando na gente também. É a gente ficando bem com esse perfume que ficou. Não é só um perfume. É a escolha do perfume que essa pessoa fez pra encontrar com a gente, por mais que seja o perfume de sempre – por quê não ver o normal também como algo diferente? E aí a gente até pensa: “Será que mando ou não uma mensagem contando que todo esse perfume ficou em mim?”

Quando a gente sorri ao perceber que o perfume da pessoa ficou na nossa roupa, a gente também pode começar a perceber que talvez sejamos nós querendo ficar na vida dessa pessoa.

por Márcio Rodrigues.
@marciorodriguees
umtravesseiroparadois@gmail.com

Clique aqui e siga a playlist do blog no Spotify.

Obrigado

Leia ouvindo:

Eu tenho uma lembrança muito especial da gente assisitindo pica-pau juntos no SBT. “Vai começar pica-pau” você me avisava. Mas tenho outras memórias também. Lembro de você cortar o bife em 456 pedaços só para eu ter o mínimo trabalho de praticamente só engolir – fico pensando se te decepcionei quando me tornei vegetariano aos 14 anos. Acho que não. Eu lembro de quando cortava minha franja que já entrava nos olhos. Ficava de cócoras no banheiro e passava a tesoura. Ficava meio torto sim, mas eu não me importava muito. Teve aquela vez que você me ajudou a tirar o dente de leite. Eu chorava tanto. E o meu bigode? Apesar dos meninos na escola começarem a me zoar com aquela penugem, você avisava que era melhor eu não tirar porque se não eu teria que tirar sempre a partir dali. Mas teve um dia que tirei sim – estava muito feio! Inclusive quando me dava bronca você apontava para o bigode como um sinal de quem sabia do que estava falando, um sinal de respeito, um sinal de “me obedeça”. Que via pensava que era durão, mas nem era. Na rua, quando eu jogava bola com meus amigos, você assobiava no portão e lá de longe eu ouvia. Era o sinal para eu entrar em casa e, provavelmente, jantar. Teve uma vez que a gente foi comprar um chuteira nova pra eu ir pro treino de futebol na época. Tiveram esses e outros momentos que a gente viveu.

E teve toda a parte difícil também. Teve uma parte só minha toda difícil que ninguém faz ideia. Ninguém faz ideia. Teve a parte de eu chegar na rua de casa e ouvir vocês brigando. Aí eu sentava na calçada em frente o portão e chorava esperando acabar a briga pra entrar em casa. Uma vez eu ouvi a briga de longe e fui até o supermercado do bairro ficar dando voltas pra passar o tempo. Você não sabe, ninguém sabe, mas eu mesmo causava os meus espirros na madrugada só pra vocês pararem de brigar entre vocês e começarem a brigar comigo. Essas brigas me deixavam muito triste. Ver vocês assim me fazia muito mal só que eu não podia fazer muita coisa na época. E pelo menos vocês sempre se respeitaram e não houve episódios mais sérios. Ser filho único é bem complicado em momentos como esses. Ser filho único, de família minúscula, sem conhecer os avós, sem ter uma casa da tia na vizinhança. É muito difícil. Foi muito difícil. E foi aí que eu tive uma primeira grande lição na minha vida: foi vendo toda a parte ruim dessa convivência que, dia após dia, fui colocando uma vontade na cabeça de viver totalmente o contrário. Em teoria era para eu ser mais um a reproduzir todo o stress de vocês assim que eu crescesse, mas eu fui pelo contrário. Foi vendo cada dia de briga, cada noite mal dormida, cada dia que vocês mal se falavam – eu nunca vi um beijo de vocês – foi vendo tudo isso que hoje, aos 30 anos, eu tenho certeza de que sei fazer bem a alguém, tenho certeza de que o próximo beijo que eu der em alguém vai ser eu 100% de verdade ali querendo fazer bem a esse alguém; para a próxima namorada que eu tiver, noiva, esposa, tenho total certeza que sei fazer bem a alguém sempre que eu tiver essa chance. E só sei disso porque tive em casa muitos dias de duas pessoas se fazendo mal, onde eu me confundia sobre o que significava amor e fazer bem a alguém. E hoje vejo que amor é tudo o que eu sou nesse mundo e, por outro lado, eu sou amor porque vocês me criaram orientando sempre pelo certo da vida, formando meu caráter para que eu conseguisse vencer como vocês entendiam que não conseguiram. E apesar de tudo isso, você em especial, sempre me inspirou muito. Nunca vi faltar em um dia de trabalho por mais doente que estivesse. Dobrava o turno, fazia tudo, mas sempre estava lá: trabalhando dignamente e consquitando seu salário. Isso sempre foi muito incrível pra mim e lembro sempre! Pena que você gastava seu suado salário com outras coisas que não as contas em casa. E aí você passou a gostar de beber. E beber mais. Beber tanto e ajudar tão pouco que o melhor para vocês dois em casa foi mesmo se separar. Hoje eu não bebo. Eu não cresci com o referencial de que bebida é celebração. Não há exatamente um trauma clínico, mas eu não faço questão de beber, eu não vejo graça e não sinto vontade, mas respeito muito todos que gostam e apreciam, inclusive parte da nossa família, muitos dos meus amigos, minhas ex-namoradas e etc. Ou seja, veja você, além de vegetariano há 17 anos, eu não bebo álcool nem uso nenhum tipo de droga. Não foi algo que eu parei e pensei: “não quero beber” como fiz quando me tornei vegetariano, mas foi algo que não fazia sentido pra mim, daí eu só fui ignorando as possibilidades e não me arrependo. Ainda sobre lição mesmo sem ser a intenção, foi ao te ver bebendo tanto com as contas em casa pensando ainda mais, que eu fui pelo caminho contrário. Todas as contas podem pesar na minha vida sempre, mas não vai ser porque estou gastando o dinheiro com bebida.

Deixa eu te contar uma coisa aleatória que me disseram.
Conversando com uma garota uma vez, ela me falou que não sairia com um cara que não bebe. Eu ri e ela continuou: “gente, imagina? vou num bar beber uma cerveja e o cara bebe o quê? um suco?” Pois é. As pessoas tem dessas. Está difícil agradar e ser interessante. Parece que, nesse exemplo, para algumas pessoas é impossível ser legal se você não beber. Louco, né?

Retomando a história e dando um salto de anos entre traumas e pouquíssimo contato depois que você saiu de casa, nesses últimos meses eu tive a oportunidade de cuidar e me reaproximar de você, apesar do motivo não ser bom. Você estava muito doente. A bebida machucou nossa família, mas machucou ainda mais você por dentro e por fora. As pessoas não te reconheciam mais. Sua aparência mudou. Aquela sua energia vital de trabalhar por horas pareceu esgotar. E eu senti que devia passar por cima de qualquer sentimento ruim que eu pudesse ter sobre você por todas as coisas que passei – e passamos aqui em casa. Todas as noites minhas chorando secretamente. Todas as vezes que senti o clima péssimo. E todas as vezes que esfreguei o cobertor no nariz pra vocês brigarem comigo e pararem de brigar entre vocês. Eu nunca fui de guardar coisas ruins das pessoas, não seria assim com você. Mais do que sentir que eu queria fazer algo, percebi que eu devia fazer alguma coisa por você agora, tipo como você cortava o bife para eu comer. E não hesitei, não pensei duas vezes. Então a gente ficou mais perto. A gente começou a conversar mais e tentei cuidar de você o máximo que eu pude, entre documentos novos e remédios. Passeamos de carro, apesar do destino ser o hospital – você nem sabia que eu tinha carro. Nas despedidas eu beijava a sua testa e falava “fica bem”. Depois de algum tempo, encontrei um lugarzinho muito bacana, com muita gente do bem, silencioso e bonito para você se tratar e melhorar aos poucos. Eu sabia que qualquer melhora levaria meses ou anos. Na primeira visita, te perguntei se gostava de lá e você falou que sim. “Aqui tem cinco refeições”, comemorava. Você parecia estar melhor. Eu me sentia melhor. A nossa família se sentia melhor por saber onde você estava, diferente das vezes que nos perguntávamos do seu destino. Eu me sentia bem em te fazer bem – lembra da lição lá do começo? Me sentia bem em receber fotos suas. E, principalmente, me sentia grato pela oportunidade da gente se reproximar depois de tantos anos e de eu poder te ajudar. Parecia que eu passei esses anos todos me preparando para poder cuidar de você nesses últimos meses. Apesar de toda a sua dor e sofrimento pela saúde, tudo corria bem e com uma pequena melhora constante, até que nessa semana seu corpo não conseguiu resistir mais a tanto desgaste por causa da bebida e você partiu para descansar lá no céu, perto do vô e da vó – aqueles que eu nem cheguei a conhecer. Eu chorei com a notícia. Chorei muito. Chorei na frente das pessoas, chorei sozinho. Chorava, mas no fundo, por um lado, eu chorava pela gratidão de poder me reaproximar de você, de poder fazer alguma coisa para te fazer bem, chorava pelo alívio de uma vida sem remorsos ou mágoas entre nós dois, chorava porque eu sabia que você estava feliz por estar perto de mim de novo, tipo como quando respondeu agradecendo em áudio pelo seu aniversário mês passado.

Pai, você me ensinou muita coisa, até mesmo sem querer. Seus defeitos me ensinaram a aperfeiçoar minhas qualidades. Suas qualidades me ensinaram a melhorar meus defeitos. Eu sinto que o senhor está bem agora, que está descansando depois de passar tanta coisa nessa vida. Eu te agradeço por me dar a vida, te agradeço pela mulher que escolheu pra ser minha mãe, essa guerreira que veio com o senhor lá do interior do Piauí para vencer aos poucos aqui em São Paulo e segurar a minha mão todos os dias. O senhor tem um ótimo gosto para mulheres, sabia? (Outra lição aqui, viu? Também tenho bom gosto. Eu sou um privilegiado porque 100% das mulheres que já me relacionei na vida, em compromisso ou não, são mulheres maravilhosas!) Eu não guardo nada de ruim da gente, eu só guardo a sua imagem rindo sem os dentes da frente comendo o bolo que a tia te levou na primeira e única visita que pudemos te fazer. Você era um grande cara, com um coração gigante e que, ironicamente, justamente por toda essa grandeza que se perdeu na escolha de ser mais bondoso para desconhecidos em balcões de bar do que para a nossa família em casa com comida quente. Mas tudo bem, pai. Eu realmente não guardo nada de ruim, mas acho importante falar sobre coisas difíceis em detalhes pra gente saber que elas existem e que a vida não é colorida todos os dias. Hoje falo com tranquilidade sobre o que passamos, sobre o que passei por todos esses anos e últimos meses. É como se a minha vontade de ajudar a melhorar fosse maior que qualquer julgamento sobre seus erros. E, afinal, quem sou eu para julgar? Jamais.

Pai – e que delícia escrever “pai” sobre você depois de tantos anos -, de novo, te agradeço por tudo. Desculpe se falhei em não ser um filho perfeito, desculpe por jogar desodorante naquela carne descongelando na pia quando eu tinha 10 anos; nunca te falei mas fiz isso porque o senhor não me deixou jogar bola na rua, poxa. Seus netos um dia vão saber disso, viu?

E acredite em mim quando digo que acordo todos os dias tentando vencer na vida para honrar o seu “Rodrigues” do meu nome, a sua quarta série incompleta e hoje, mais do que nunca, acordo todos os dias para manter um sorriso no rosto da mulher que você escolheu para ser a mãe do seu único filho – e também da minha tia que mora com a gente que eu tanto amo.  Quando a gente tiver nossa casa própria eu te mostro, tá?
Aliás, essa nossa foto é de um aniversário meu na primeira casa que vocês moraram quando vieram do Piauí pra São Paulo e depois eu nasci.

Tô feliz que o senhor está em paz e descansando agora.
Eu só não vou sentir mais saudades suas porque eu sempre te levarei comigo.
Um dia a gente vai assistir pica-pau de novo.

Com todo o amor que eu posso sentir no meu coração,
do seu filho,

Márcio Rodrigues.

ps: fica bem e obrigado pela vida, eu cuido da mãe.

Você não me vê como eu gostaria

A gente se dá bem.
A gente se dá muito bem.
As nossas conversas se encaixam. Eu completo as suas frases. A minha opinião parece ser necessária para as suas conclusões. Você me procura quando parece que se perdeu. Você me pergunta quando não encontra respostas. Me vejo com um papel importante na sua vida, mas talvez eu queira ser visto com um papel especial.

Você me vê como alguém incrível mas não como alguém incrível para você.

E tudo bem, acontece. Qualquer pessoa está sujeita e se frustrar por menor que seja a expectativa. Eu não quero, de forma alguma, estragar a relação que temos e o quanto nos damos bem, muito pelo contrário, eu já pensei como seria se a gente melhorasse tudo isso, já pensei no que aconteceria se essa relação fosse ampliada. Pensei até entender e aceitar que você não me vê como eu gostaria.

O valor que tenho na sua vida é diferente do que eu gostaria. Só que lutar contra isso é escolher sofrer e eu prefiro me proteger. Eu sei de todas as outras bilhões de pessoas que existem no mundo e, se eu pudesse escolher, não seria sobre você que eu pensaria assim, mas aconteceu e me veio à cabeça a possibilidade de você me ver um dia de um jeito diferente do que me vê hoje.

Pensei como seria pra gente se todo esse nosso jeito de se ajudar terminasse em um beijo, além do abraço, na despedida. Já parei para imaginar como seria se todo esse bem que você diz que eu faço para a sua vida pudesse melhorar ainda mais com um papel especial nos seus dias. Eu não desvalorizo a nossa amizade, mas e se você me valorizasse como algo a mais? Eu fico pensando, sabe? Eu fico pensando até se você também já pensou.

Mas a verdade é que você não me vê como eu gostaria. Talvez por eu não fazer seu tipo mesmo algum aspecto ou, talvez, porque você simplesmente nunca parou para virar a chave e imaginar como seria ter a mim não só na sua vida, mas nos seus dias, nas suas noites, feriados e domingos de manhã. Pode ter a ver com isso. Pode ser sobre você nunca ter parado para me ver como alguém que pode te fazer sentir de um jeito que você sempre quis. Vai saber.

A gente se dá bem. A gente se dá muito bem.
Eu sei das suas outras histórias, você sabe das minhas e isso me faz pensar como seria viver a nossa, mas você não me vê como eu gostaria. Aceitei que, por enquanto, o meu lugar na sua vida existe para te ouvir falar das pessoas que somem depois que vocês ficam, dos beijos que dá, das mensagens que troca – e das ignoradas que recebe, das noite dormidas fora, dos abraços em outros braços, das experiências ruins, das boas, das pessoas que não se importam, entre outras coisas; aceitei que meu lugar na sua vida existe pra te ouvir falar de tudo isso e muito mais, mas menos sobre eu preencher um lugar para te mostrar que a vida nem sempre é como a gente gostaria, mas que eu poderia fazer muito mais coisas do que imagina para melhorar. Não tem a ver com eu me considerar melhor que alguém para você, mas sim pela certeza que sinto de que, justamente por a gente se dar tão bem, eu saberia como te fazer se sentir melhor ainda. Mas você não me vê como eu gostaria.

por Márcio Rodrigues
@marciorodriguees
umtravesseiroparadois@gmail.com

“Ela é muito fácil”

Ela parece estar a fim de você.
E o que você pensa? “Ah, ela é muito fácil”.
Parabéns! Você acaba de se tornar um perfeito idiota.
Ela não faz rodeios e fala claramente que gostou de sair com você. Ela te manda mensagens para saber do seu dia, ela te faz perguntas, ela parece querer sair com você outras vezes. E o que você pensa? “kkk essa tá muito fácil”. Ela te responde rápido, parece gostar da conversa e retribui as suas brincadeiras de paquera. E o que você pensa? “Hahaha que fácil”. Vocês saíram. Vocês transaram. No dia seguinte ela puxa assunto e o que você pensa? “Ai mano, essa é muito fácil”.

Você não entendeu nada sobre o privilégio que é ter alguém a fim da gente. Você interpreta o interesse das pessoas como um jogo entre difícil e fácil. Você precisa parar e pensar nas merdas que tem pensado. E mudar. Mudar já.

Chamar uma mulher de fácil é uma das coisas mais horríveis que existem e mostra uma falta de inteligência imensurável. Cara, o fato de vocês terem transado na primeira noite que saíram jamais quer dizer que ela é fácil, mas sim, que ela teve vontade foi lá e fez. Não é sobre você, é sobre ela. É sobre ela cagar para as regras e fazer o que tem vontade. Esse pensamento de minhoca de achar que uma mulher é fácil por ter atitudes é uma bosta. Cara, o fato dela te mandar mensagens para saber mais de você e, eventualmente, te chamar para fazer outra coisa qualquer dia, em nada quer dizer sobre ela ser fácil. Isso claramente é sobre ela sentir vontade, não entrar em joguinhos e ir te falar o que sente e pensa. Considerar que uma mulher com atitude é uma mulher fácil mostra mais sobre a forma pequena que você pensa do que sobre ela. Não tenha dúvidas.

Você nunca vai saber o que é estar no lugar dela. Você não faz ideia dos receios que ela tem só por ser mulher. Você não sabe o que é medo de andar na rua. O seu é de ser assaltado, o dela é de ser estuprada. Só com esse exemplo já dá para colocar a mão na cabeça, se enxergar e entender que chamar uma mulher de fácil porque ela mostra algum interesse em você só te coloca numa posição medíocre. Não fale assim. Não use esse termo. Não seja esse cara. Não seja quem você odeia que fossem para você, afinal, veja bem, ela também pode fazer o mesmo e talvez você não vai gostar muito, né? Ela pode mandar mensagens do tipo “miga, o fulano tá muito apaixonado hahaha preguiça” – e o que você sentiria se soubesse de algo assim? Provavelmente você não ia gostar de saber.

Pensa um pouco quando pensar isso. Pensa um pouco em quão incrível você deve ser para um mulher demonstrar um claro interesse em você – e pense menos, ou melhor, jamais pense que isso quer dizer que ela é fácil. Pensa um pouco que talvez você seja um cara bacana entre tantos caras idiotas e que ela se sentiu à vontade para transar com você na primeira noite, para te mandar mensagem dia seguinte, para te chamar para fazer outra coisa. Mas, jamais, por favor, chame uma mulher de fácil, jamais interprete uma mulher dessa maneira.

É justamente por pensamentos como esse que as coisas complicam mais. Veja, imagina que uma mulher está a fim de um cara. O ideal é que o cara saiba disso. O problema é que certamente ele não saberá tão cedo. E sabe por quê? Porque ela não quer ser vista como fácil, assim como outros caras já acharam e ela soube. Ela não quer ser vista como “dada” como ela sabe que pode ser vista. Vê o quão bosta tudo se tornou? Muitas mulheres sentem vontade sim de transar na mesma noite que conheceu alguém, mas ela não o faz justamente pelo medo de não parecer “puta”. Vê a bosta? O receio dela é o jeito que o cara vai vê-la, sendo que a verdade é que ela fazer o que tem vontade só mostra o quanto ela é incrível e tem as rédeas da vida. Mas não. Não é assim na vida real. Vai ser complicado melhorar e vai ser ainda mais difícil se homens continuarem vendo mulheres como “fáceis”.

Ela não é fácil. Ela tem o controle da vida e dos desejos dela. Ela não entra em joguinhos. Ela fala o que sente e pensa. Ela te chama para sair. Ela mostra que quer transar. Ela fala que está com saudades. Ela não é fácil. Sério, não fala bosta. Se teus amigos falarem, os corrija. Isso não pode ser aumentado.

Você sabe bem o quão incrível é ter uma mulher a fim de você. Você sabe bem que fica até meio sem jeito quando fica sabendo. A gente sabe bem. Eu sei bem. E ninguém tem a obrigação de ser recíproco, mas temos a de ser humanos, respeitar e tentarmos, aos poucos, mudar a nossa parte do mundo e desconstruir algumas mazelas culturais em que crescemos, porque a parte do mundo que diz respeito a ser mulher, nunca saberemos como é.

Ela não é fácil. Ela é do caralho, porra.

ps.: É óbvio mas só para reforçar: não é um texto sobre todos os homens, mas sobre os homens que pensam assim – mas que também funciona para todos, inclusive eu, refletirmos sobre o tema e nossas atitudes. Sempre da para melhorar.

por Márcio Rodrigues.
@marciorodriguees
umtravesseiroparadois@gmail.com

Fica aqui

Não precisa ir embora agora, fica aqui.
Fica aqui para eu ficar mais tempo com meu corpo pertinho do seu. Sentir tem abraço quentinho. Fica aqui pra eu te ouvir falar mais sobre os seus planos só para eu me ver encaixando em cada um deles, das séries para ver no fim de semana até o planejamento das próximas férias. Fica aqui pertinho. Fica aqui fazendo nada se quiser, mas fica. Fica aqui porque sua presença aumenta a barrinha da minha energia. Fica aqui porque é bonito seu carinho em medir as palavras para defender ideias diferentes das minhas só pra gente não brigar. Fica aqui porque eu nunca esperei que a gente concordasse sempre. Fica aqui porque posso preparar algum bolinho frito gostoso pra gente estender o assunto. Fica aqui porque eu sinto saudade quando você vai. Fica aqui porque você preenche um espaço que eu já cheguei a pensar que ninguém mais ocuparia.

Fica aqui porque em toda conversa nossa eu gosto mais de gostar de você. Fica aqui porque em toda conversa nossa eu gosto de conhecer um pouquinho mais de você. Fica aqui porque aqui você vai sempre estar seguro, dentro de um abraço na cozinha ou de um deitar numa almofada apoiada nas minhas pernas.

Fica aqui porque somos muito mais fortes quando estamos juntos e o mundo parece colaborar para as coisas darem certo: a pizza parece chegar mais rápido, a série parece mais divertida, o boleto nem parece tão caro, a rotina nem é tão pesada e os problemas nem são tão grandes assim. É porque esse é o efeito que a sua companhia traz para a minha vida, você transforma minhas preocupações em soluções que eu não consigo enxergar sozinho, você aterrissa meus pés quando eu pareço sonhar alto demais, você me puxa para o alto que eu pareço sonhar baixo demais.

Fica aqui.
Eu queria falar outras coisas, eu falaria por dias, mas agora eu só queria que ficasse aqui. Fica aqui pra eu ficar assistindo você dar sua risada gostosa. Fica aqui pra me contar mais sobre o seu trabalho e o que você projeta para o seu futuro. Fica aqui para me contar dos seus medos. Fica aqui para me contar o que está acontecendo com a sua família. Fica aqui porque a gente não vive só de momentos bons e eu estarei aqui para te ajudar a enfrentar os ruins. Fica aqui porque é tão melhor quando alguém acompanha a gente nessa viagem que é a vida, comentando as paisagens e enfrentando das tempestades.

Fica aqui pra gente melhorar juntos. A gente sempre pode melhorar. Eu não sou nada perto de perfeito, mas você é uma grande motivação para eu me esforçar a ser melhor e eu gosto de ser uma base para te equilibrar nos dias nem tão legais.

Não precisa ir embora. Fica aqui.
A nossa felicidade não é uma meta, é uma trajetória feita de alegrias diárias dentro de cada um dos nossos dias. E eu amo me dedicar em te levar alguma alegria para a sua rotina, seja te marcando num vídeo que acho que vai gostar ou te dizendo que ao seu lado é um lugar que eu sempre quis estar.

por Márcio Rodrigues.
@marciorodriguees

Comemorar o quê?

A essa altura, muito provavelmente você já viu milhões de fotos de casais e postou a foto com quem você namora. E isso é tão bonito se você tem motivo para celebrar; se é uma história recheada de respeito, reciprocidade e consideração. Isso é tão bonito que palavras pouco conseguem descrever. Se é o seu caso, que coisa linda e que todos os dias de alegria se repitam na vida de vocês, agora, se não é seu caso, para e pensa um pouco.

Você postou a foto parar comemorar algo que nem sabe mais como chamar.

Você postou uma foto sobre dia dos namorados mas sabe bem que, no fundo, você não quer mais namorar essa pessoa – ou sente que a pessoa não quer mais namorar você. Você postou uma foto sobre dia dos namorados mas sabe bem que, no fundo, esse seu namoro está te fazendo mais mal do que poderia imaginar. Você postou uma foto sobre dia dos namorados mas sabe bem que, no fundo, esse seu relacionamento é abusivo e você nem se reconhece mais, não enxerga suas qualidades, seus amigos te estranham, seus gostos mudaram, você deixou de cuidar de si como tanto gostava; você se perdeu de você.

A gente tende a idealizar histórias que queremos viver e isso nos impede de ver a história que estamos vivendo.

Eu sei que ler tudo isso em pleno dia dos namorados pode parecer desastroso demais, mas eis o grande ponto: do que adianta viver um dia de alegria se todos os outros são tão legais assim? De que adianta aparentar viver uma história bonita se você chora pelos cantos por não entender mais o que fazer para melhorar? De que adianta mandar uma mensagem querida recheada de sentimento bom para ser visualizada e não respondida? Você pensa nisso? Comemorar o quê? Porque inventaram datas pra gente fingir que esse dia deve ser diferente dos outros sendo que todos os dias devem ser diferentes entre si?

Talvez hoje – e sim, justamente hoje – seja uma boa oportunidade para você encarar que a sua história está respirando por aparelhos e que nenhuma mente dorme tranquila sabendo que algo está errado.

Eu não quero te encorajar a tomar atitudes porque apenas você sabe o que é o certo na sua vida e ninguém mais, mas gostaria que refletisse sobre os momentos que tem vivido e o quanto tem te feito bem ou não. Gostaria que ponderasse se o que tem vivido é sobre migalhas ou pratos cheios. Esqueça essa data, esqueça o presente, pense sobre a rotina, pensa em ontem, anteontem e semana passada e o peso dos problemas que só vem com a vida a dois e todas as dificuldades que envolvem manter uma relação.

Poucas coisas são mais especiais nesse mundo do que ter alguém para nos acompanhar e tornar os dias mais leves, mas isso só funciona quando a gente consegue confiar no que está sendo vivido, ao invés de só desejar viver uma coisa especial. Vê a diferença? A gente precisa tomar cuidado para não projetar felicidade em pessoas que não podem nos dar mais.

Eu sei que você entrou na inércia da data, escolheu a foto, o filtro, talvez uma foto mais antiga para ser postada novamente com uma legenda do tipo “só porque amei esse dia” ou “apesar de você não gostar dessa foto”, eu imagino o tamanho do seu esforço para colocar uma estrela nesse dia comemorativo, mas qual o tamanho do esforço que te fazem para colocar estrelas em todos os outros dias? Será que você só não aceita enxergar porque é melhor ter uma história estranha do que história nenhuma?

Será que você não poderia ponderar que talvez nem seja mais sobre a pessoa, mas sim sobre você e as suas mudanças? A gente tem o direito de sonhar, mas a gente deve viver com o pé no chão para não nos machucarmos.

O amor não é alguém, é o que sentimos. O amor é combustível, não improviso. Amor nenhum sustenta relação nenhuma. Amor é nada se não tiver o todo. “Eu te amo” não quer dizer nada se não nos mostram isso.

Coloca a sua vida à frente da sua história para pensar se você tem dedicado mais de si do que pode ter, ou pior, do que tem recebido. Pois amor, fundamentalmente, é reciprocidade. Às vezes ninguém tem culpa, nem você nem a pessoa que está com você, mas o apego é maior do que o sensibilidade de enxergar a vida como ela é.

Este não é um texto necessariamente contra o Dia dos Namorados, é um texto a favor da Vida dos Namorados; são alguns pensamentos sobre a trajetória e não sobre um dia especial. É um texto que inclui contas para pagar, problemas na família e salários baixos, mas é um texto com uma intenção clara: provocar a reflexão de que se há algo para melhorar, que façamos a nossa parte para tal – às vezes não é ainda um ponto final, agora, se não há, que façamos a nossa parte para nos libertar e deixar de sonhar em viver dias bons e começar a viver os dias como são.

por Márcio Rodrigues.
@marciorodriguees
umtravesseiroparadois@gmail.com

 

Não faça alguém de idiota

Você não tem a menor obrigação de ter reciprocidade com o sentimento de alguém, mas você tem a obrigação de dizer isso. É que se calar e ignorar quem conversa com você só te mostra como se mostra uma pessoa lixo. Desculpe o tom mas essa é que é a verdade.

De novo, caso não tenha entendido: você não precisa responder o que não quer, mas você tem a obrigação sim de responder alguma coisa. Acontece que a vida não gira em torno de você e das suas vontades. E, como ninguém tem o poder de adivinhar o que passa na cabeça da outra pessoa, em outras palavras, caso seja o seu caso, não venha com aqueles papos do tipo “a vida tá corrida” porque isso é mentira. E mentir é horrível. Ninguém precisa disso. A vida sempre vai estar corrida e, ao mesmo tempo, sempre encontraremos um meio de parar e falar com quem fala com a gente. Essa desculpa é horrorosa. Outras justificativas como “to passando por algumas coisas” podem até ser verdade, mas como alguém que conversa com você pode adivinhar isso se você não falar nada? Aqui temos um ponto sobre enxergar esforços que te fazem sem que você possa receber, mas deve falar sobre isso.

É que talvez que você esteja querendo que o mundo te entenda mas você não entende a pessoa ao lado. Infelizmente ainda não é possível ser invisível e simplesmente escolher não falar com ninguém por dias. É preciso trabalhar, é preciso conviver, é preciso conversar até com quem você eventualmente odeia em casos extremos. Então, se há alguém querendo falar com você ou que já falou alguma coisa boa para você, demonstrou alguma preocupação, algum cuidado e o que seja, por favor, não faça essa pessoa de idiota. Ela não merece e não tem nada a ver com os seus problemas ou com um eventual e oficial péssimo jeito seu de ser.

É muito ruim quando a gente se preocupa com alguém que caga na nossa cabeça. Em um mundo onde são raras as pessoas que tentam legitimamente fazer o bem, fica ainda mais difícil quando parece que atitudes boas fazem algum mal para alguém; fica complicado quando você prioriza o mundo menos alguém que gostaria de falar algumas coisas boas. Você nem sabe o que a pessoa quer falar, mas você escolhe ignorar. Você não tem coragem de falar NADA, você prefere visualizar. A pessoa vira uma direct visualizada no Instagram. A pessoa vira uma DM ignorada no Twitter. A pessoa vira uma inbox preterida no Facebook. A pessoa vira um visualizei mas não respondi no Whatspap. A pessoa, mesmo cheia de vontade boa de falar algo melhor ainda, vira um nada dentro da sua vida – isso porque você nem sabe o que ela queria ser de verdade para você. Vê o quanto isso é péssimo? E essas são atitudes que dizem mais sobre você do que sobre alguém que tenta te fazer o bem.

Não faça alguém de idiota. Não seja quem você odeia. Não seja essa pessoa. Presta atenção para evitar de fazer com alguém todas aquelas coisas que te fazem nas quais você quer explodir de raiva ou chorar de tristeza. Pensa bem, não é difícil, não é preciso muito. Não é unicamente sobre você fazer algo, é sobre você DEIXAR de fazer algumas coisas.

De novo para não esquecer: você não tem a obrigação de sentir nada por alguém, mas tem dever de tratar este alguém de um jeito que você gosta que te tratem.

Não faça alguém de idiota. Não deixe alguém esperando sua resposta. Não faça da cabeça de alguém um ninho de pensamentos horríveis, gatilhos de ansiedades e outras coisas que a sua ignorada pela “vida estar corrida”, entre outras coisas, causou.

por Márcio Rodrigues.
@marciorodriguees
umtravesseiroparadois@gmail.com

Siga e ouça a playlist oficial do blog no Spotify: clique qui!

Quando você chegar

A gente vai combinar como vai ser o nosso fim de semana e confirmar se tem algo com amigos que esquecemos de marcar. Durante a semana, porém, poderemos nos encontrar para ir ao cinema na terça e talvez jantar algo na quinta-feira. Vai depender dos nossos horários.

Quando você chegar a gente vai organizar uma viagem, viu?
Eu ainda nem sei para onde mas a gente tem o mundo inteiro para escolher.
Mas pode ser até mesmo ali na cidade vizinha que a gente mal da atenção.

Eu vou precisar te ouvir falar algumas coisas quando você chegar.
É que vai ser importante para mim te conhecer sempre melhor. Precisarei saber se você prefere camomila ou erva-doce para o chá, se é açúcar, adoçante ou nada no café; se o pão na padaria é branquinho ou queimadinho. Se o chocolate é com mais ou menos cacau. Não é sobre só te conhecer melhor para entender a forma como vê o mundo, mas também as coisas que faz para melhorar o seu dia; coisas nas quais eu posso fazer alguma coisa para ajudar.

Quando você chegar a gente vai combinar coisas do tipo “O tempo vai ficar feio no fim de semana. Vamos ficar assistindo séries?” E eu vou desligar a TV se você dormir no meio. Vou cobrir o pé que escapar no edredom.

Quando você chegar a gente vai poder sentar no sofá da casa que a gente morar e pôr a limpo todos os problemas da vida, os meus, seus e os nossos. Eu acho que vai ser bacana se a gente combinar de conversar muito, conversar sempre para sempre nos mantermos sadios e respeitando um ao outro. Me parece bom.

Quando você chegar eu vou te ligar para contar as notícias primeiro. Vou te falar sobre promoção profissional e promoção daquela marca que você adora. A gente vai conversar bastante pela internet e celular, mas eu vou fazer questão de te ligar algumas vezes para te ouvir falar – mas se você for do tipo que odeia telefone a gente combina outro esquema.

Quando você chegar a gente vai se dar bem. Vê como eu não falei que a gente vai ser feliz todos os dias? É uma promessa muito grande, né? É que se eu nem sei em que dia da minha vida você vai chegar, imagina então imaginar o que vai ser a felicidade pra gente? O que dá para garantir é que, se depender de mim, a gente vai focar sempre em conversar para resolver quando precisar, em cultivar o que sentimos de bom pelo outro e por nós dois e em nos mantermos gostando cada vez mais um do outro um pouquinho mais por dia.

Já é um começo, né?
Chega que eu te conto mais.

por Márcio Rodrigues
@marciorodriguees
umtravesseiroparadois@gmail.com

Às vezes a pessoa só não quer a gente mesmo


A gente tem uma clara obsessão em ter respostas das coisas. É uma necessidade para que possamos medir o quanto podemos ser nós mesmos e para quem. Então a gente busca respostas desde o porquê das coisas acontecerem até o porquê delas simplesmente não acontecerem. Lemos textos, fazemos terapias, conversas intermináveis com amigos, tudo para estudar o assunto e encontrar algum alívio que faça nossa mente acalmar diante das dúvidas da vida. Acho que sempre seremos assim, isso faz parte da gente. Só que eu acho também que para alguns casos simplesmente a resposta é a mais simples, justamente aquela que a gente esquece de considerar de tão simples que é.

Por exemplo, a pessoa que você tem interesse, às vezes, simplesmente não tem o mesmo interesse por você também. Cruel e fatalmente assim. A vida real não dá certo todos os dias. Só que antes de chegar nessa conclusão, muito provavelmente você passa a não dormir direito sem entender, o apetite vai embora e, em alguns casos, você começa a procurar defeitos em si mesmo para justificar o desinteresse da pessoa. É como se para você fosse certeza que a pessoa não é recíproca às suas intenções justamente pelas coisas que você não gosta em si – como se ela tivesse percebido tudo isso. Tipo, se você não está tão contente com seu peso atual, você pensa que certeza que é por isso que a pessoa não te quer. Se você é meio tímido(a) e não consegue emendar assuntos, você pensa que certeza que é por isso que a pessoa não te quer. Se você gosta de filmes que a pessoa não demonstrou gostar muito, você pensa que certeza que é por isso que a pessoa não te quer. Essa avaliação é injusta demais e só faz sofrer. Não é por aí. Esses pontos, entre outros, são coisas suas nas quais, provavelmente, ninguém nunca percebeu da mesma forma que você ou nunca deu a mesma importância como você dá.

O problema é você pensar que o fato de uma pessoa não querer nada com você tenha a ver com defeitos seus – ou coisas que não gosta tanto assim mas que não chegam a ser defeitos. Não é por aí. O que pode acontecer, de fato, é a pessoa simplesmente não estar no mesmo momento que o seu, portanto, faça o que fizer, tenha as atitudes mais incríveis que existir, ela não vai retribuir. E isso faz parte.

Vai ver é assim mesmo, já parou para pensar? Vai ver a pessoa te achou incrível em muitas coisas mas ela não consegue retribuir neste momento. E por quê? Porque ela tem atravessado outra fase da vida, tem experiência recentes diferentes das suas e expectativas que não se completam com as suas. Não é sobre seus defeitos – aqueles que você encana que todo mundo percebe -, não é sobre algo que tenha falado, é sobre ela. É o caso clichê horrível porém real do problema ser exatamente da pessoa, não seu.

É claro que isso pode acarretar uma série de desdobramentos para a vida dela, pois, se ela for do tipo que não da abertura para pessoas legais chegarem na vida, quem vai sofrer será essa pessoa, a curto ou médio prazo. Mas isso é outra história.

O que você precisa colocar na cabeça e começar a considerar é que muitas vezes a pessoa infelizmente não quer. Não há nada que você possa fazer para reverter este quadro a não ser continuar sendo a sua melhor versão. Tem gente que demora para perceber que tem gente bem intencionada.

Uma vez que você passar a considerar que muitas coisas da sua vida são simplesmente difíceis de entender por serem assim mesmo, você vai sofrer menos. Muitas coisas da vida não possuem exatamente uma resposta. Muitas definições da vida são rasas mesmo. Se tudo isso te fizer sentido, você vai começar a viver mais leve.

E, uma vez que você considerar a possibilidade da pessoa simplesmente não te querer por nenhum motivo especial negativo sobre você, você vai passar por isso mais rápido. Agora, se o seu sentimento for algo que ultrapassa seu controle, tudo o que te cabe é mostrar para este alguém o quanto você pode ser alguém que faça não precisar mais de ninguém.

Às vezes a pessoa só não quer a gente mesmo.
Às vezes ela se arrepende.
Às vezes é tarde demais.
Às vezes não.
Quem perceber a verdade primeiro sofre menos.

por Márcio Rodrigues.
@marciorodriguees
umtravesseiroparadois@gmail.com

« Older posts