Da para perceber quando alguém não te quer

O problema é que, às vezes, você não quer acreditar nisso. Ninguém quer.
E a prova é a sua admirável insistência e todas as vezes em que replaneja suas atitudes de modo a confirmar se, caso fizesse algo diferente, o resultado seria diferente. Sabe quando você tenta uma coisa e não da certo – sei lá, tipo tenta chamar atenção ou puxar um assunto de um jeito -, daí você vai e pensa na outra. Não dá certo. Pensa na próxima. Pensa em várias. Pensa muito. Faz tudo mas tudo o que você faz parece não mudar nada. Este é você. Assim todos somos.

Amor-próprio é algo tão bonito de se falar e ler em imagens compartilhadas na internet, né? Praticar este amor que é complicado. Um coração apaixonado não obedece comandos do cérebro. E o tempo para que tudo se esclareça varia de cada pessoa. Por isso, inclusive, é preciso respeitar se você tem visto alguém que conhece se machucando por alguém. Respeite o jeito das pessoas respeitarem o coração, pois não adianta sugerir receitas de como resolver. Não vai. Cada um tem seu tempo.

Só que dá para perceber quando alguém não te quer.
E perceber isso é um atalho para evitar sofrer. Por mais que você acredite no que sente e seja aquela pessoa passionalmente persistente, reserve um tempo e ar fresco para avaliar o resultado das suas atitudes.

De um modo geral, me parece meio secundário a questão de ter sim retribuição pelo que se sente. E não é. É preciso que estejamos cientes de como estão vendo o que sentimos. Tem vezes que quando a gente gosta de alguém, a gente gosta tanto que nem lembra de perceber se a pessoa parece gostar também. Imagina então quando a gente gosta de alguém sozinho? Mas este é o grande momento: perceber os sinais.

Perceba os sinais antes de querer justificar os porquês. Uma dor de cada vez. Perceba a intensidade com que recebe as respostas, perceba as reações depois das suas palavras, perceba o modo que te despistam, perceba o quanto você está remando numa canoa furada. Perceba e se convença. É preciso se sentir convencido de que os “hahahaha” são reais. É preciso se sentir convencido de que o “hoje não vai dar” realmente não vai dar ou é só uma nova-velha desculpa.

Dá para perceber quando alguém não te quer.
Mas dói.
Dói porque a gente começa a se perguntar os porquês – olha as justificativas aí! E aí a gente pensa se é a nossa aparência, se é nosso estilo de vida, se é o senso de humor, se é a vida profissional, se é a casa onde moramos, a fase da vida, o tamanho dos sonhos ou a preferência pelo ketchup ao invés de mostarda. A gente se pergunta tudo. Quando você perceber que alguém não te quer, vai doer. Vai doer mas vai passar.

E, a julgar o ciclo natural das coisas, quanto mais rápida é a dor, mais rápido a gente chega no amor. Todo fim de dor é um recomeço de amor.

Perceba se esse alguém te quer. Avalie seus esforços e os resultados. Permita-se considerar que a sua conversa no Whatsapp desse alguém está lá embaixo depois de todos as outras dispensáveis. Considere que no segundo seguinte que esse alguém te responde um “essa semana não vai dar, mas vamos combinar sim,” responde um “vamos sim, não me importo se for hoje!” em outra janela do chat. Considere que você quer alguém que não te quer.

O sentimento que você guarda é tão bonito quanto invencível.
Só que tem gente que não gosta de lutar para ser feliz.
Ou simplesmente estão em outra volta deste mundo, longe demais para perceber felicidade batendo a porta.

Fim do amor. Começo do amor.
Esqueça do que já sentiu e lembre-se do que ainda sentirá.

por Márcio Rodrigues.
@marciorodriguees

+ textos EXCLUSIVOS aqui.

Escrevi, mas não mandei

Na verdade, deletei. Porque já escrevi outras trezentas vezes.

E, provavelmente, até o dia acabar escreverei mais quatrocentas. Não é mole, não.

Essas coisas, juntamente a outras tantas, poderiam ser mais fáceis. Eu não gosto muito de me policiar. Acho injusto comigo e com meu sentimento renunciar uma vontade do meu coração, mas a vida não é só feita de coisas que a gente gosta.

Só que eu não sei você precisa receber. Ou precisa. Não sei.

E também não sei ao certo o que eu mandaria. De todas essas vezes, muitas delas seriam por impulso e, provavelmente, eu me arrependeria de ter mandado. Bem, pelo menos se eu tivesse mandado não me arrependeria por não ter feito, né? É, mas é complicado.

A gente entra, então, num conflito entre respeitar o que sentimos ou fazer parte do jogo. E não me venha com essa de odiar joguinhos! Ninguém gosta, mas todos somos obrigados a jogar. Eu não posso, por exemplo, mandar uma mensagem se a pessoa pediu espaço. Não posso mandar outra mensagem se quem pediu espaço fui eu. Isto é, em mil momentos da vida a gente se vê numa cilada entre respeitar as verdades do coração e da razão.

O ponto é que, de novo, escrevi mas não mandei.

De novo me acovardei e preferi deixar tudo como estava. Ou será que só respeitei um motivo maior? Sem arriscar, sem tentar, sem pagar pra ver. Escrevi cada palavra como talvez nunca tenha feito antes, com uma verdade que, talvez, nunca tenha conseguido expressar antes, mas como outras tantas vezes, preferi não mandar. Eu senti medo.

Senti medo de te atrapalhar. É que o medo se manifesta de muitas formas em nossa vida.

Senti medo que a minha boa intenção pudesse te prejudicar ou que pudesse piorar ainda mais minha situação com você.

Acho que ainda vai acontecer outras vezes, não exatamente com você. São muitas as vezes em que a vontade é de mandar a mensagem, mas a gente acaba segurando. E não dá para saber o que é o certo. Falar que a melhor escolha sempre será seguir o coração é prematuro demais diante da complexidade que a nossa cabeça cria sobre: mandar ou não mandar. O coração pode falhar só para respeitar o que a gente sente.

Eu gostaria de receber o que não te mandei.

Acho que aí nasce algo a se pensar, uma vez que seria algo que eu gostaria que mandassem para mim. Mas, e como todo e cruel “mas”, ainda assim não é possível assegurar que eu faria a coisa certa. Eu gostaria de receber o que ia te mandar porque a minha posição é outra. Talvez, pelo menos agora, eu tenha feito o certo ao me omitir para você. Ou, na verdade, eu deva sim te mandar. É uma decisão a ser tomada. Não há uma verdade. Dá pra ver como é difícil.

Vou salvar todas as mensagens para te falar quando te ver. Pelo menos pessoalmente vou poder confiar mais na sua reação do que no sua resposta digitada. Não é sobre desconfiar de você, é sobre me proteger de fazer mal sem querer.

por Márcio Rodrigues.
@marciorodriguees

Por um dia você foi minha

Foi um dia só, não lembro nem se deu 24 horas redondo. Mas naquele dia, por aquele tempo, nós vivemos um pra sempre com hora para acabar.

Vou mentir se eu disser que não queria ter vivido outros daquele dia, mas não é só questão de escolha da minha parte. E isso eu já aceitava com outras pessoas antes de você.

Por um dia, eu fui todo seu.
A minha atenção era sua e tudo de bom que saiu da minha boca era para você, dos beijos aos motivos para te fazer risada. Foi assim que aconteceu.

Por um dia eu te senti minha de verdade. Por um dia nós fomos para sempre. É que eu já te sentia na minha vida desde a primeira vez que a gente se falou, mas foi naquele dia que, ao te ver e poder tocar você, te senti fazendo parte do meu dia. Senti alegria por ser o privilegiado a te ouvir falar, nem lembro direito de tudo porque eu ficava enfeitiçado com o nosso momento e preocupado com a hora que acabaria, mas eu guardei tudo.

Por um dia a gente planejou uma vida inteira sem dizer uma palavra. Foi só um dia, não teve depois, não teve “vamos marcar algo de novo”, não teve “me avisa quando chegar em casa” no dia seguinte. Só naquele dia. Existiu tudo, porém, só naquele dia. Só por um dia.

Por um dia eu tive a certeza de que conseguiria te fazer parar de sofrer. Te esperei tanto! Naquele dia eu tentei ser quem você nunca conheceu antes. Não queria ser melhor nem pior que ninguém, mas eu queria ser eu na sua vida, nem que só por um dia. Como fui. Por isso que me esforcei tanto para te fazer sentir especial. Meu beijo foi tão real. Estive onde minha mente estava. Era eu inteiro ali. E esse “me esforçar tanto” não tem a ver com quantidade, afinal, era só um dia, tem a ver com qualidade. Me esforcei para marcar como nosso aquele dia no calendário da sua vida. A gente nunca sabe como será no dia seguinte e costumo não pensar nele. Sou tão preocupado em fazer do hoje o melhor dia, que o amanhã parece longe demais.

Foi tudo e tudo se foi por um dia só.

Te vi sair da minha vida do jeito que chegou, te vi estranha do jeito que te vi íntima. O vento te levou para algum lugar que não pega sinal de celular. E tudo bem. Eu entendo. Era pra ser só naquele dia mesmo. Nossa conversa foi ficando pra baixo no Whatsapp dando lugar para outras pessoas e grupos que eu falava mais. Você não teria tempo de decorar meu sobrenome, minha comida preferida e a banda que mais gosto. Nós fomos tudo, fomos tanto, fomos tão nós, tudo isso e muito mais, mas infelizmente, com hora certa para nos despedir. “Obrigado por hoje! :)” e nunca mais.

Por um dia eu pensei que seria pra sempre. Bobo eu, né?
Como assim, nos tempos de hoje, eu pensar que um dia só seria mais que um só dia? Vai ver lá no fundo da minha consciência eu te conheci me despedindo. Hoje a gente conhece as pessoas, mas não sabemos se elas ficarão nas nossas vidas, daí viram só um número na agenda. A gente dá “oi” com uma mão e “tchau” com a outra. Chegam pra ficar, saem sem voltar.

Foi bom te sentir aqui, nem que só por um dia. Eu gostei tanto. E gostei de te fazer bem – pelo menos você demonstrou, ou enganou melhor ainda. Sei lá.

Tomara que a sua vida siga bem, que os outros que chegarem agora descubram mais rápido do que as horas que levei para descobrir o que você precisa para ser feliz. Lembra? Foi só um dia, mas não esqueço nenhum dia.

+ textos exclusivos no Facebook.

por Márcio Rodrigues.
@marciorodriguees

Ele quer você

Já percebeu?
Ou se faz de desentendida? Ele quer você.
Mas querer como, né? É sempre uma dúvida. Antes dessa resposta, outra afirmação: ele quer você.

Ele poderia querer outras, mas ele quer você.
E ainda não dá para ter certeza se ele quer você hoje ou todos os outros dias. Do começo não dá para enxergar. Mas ele quer você. Isso te parece razoável? É interessante alguém querer a gente. Como você lida com o conflito em querer quem não te quer tendo alguém querendo você?

Você já tentou perceber os sinais?
Já percebeu o quanto ele se preocupa com você? Ou só te parece “alguém legal perguntando como foi o dia”? Quantas pessoas te perguntam como foi o dia por dia? Ele quer você. E tudo bem.

Ele quer você, mas você não é obrigada a aceitar. Você não é obrigada a nada. Você pode muito bem se apegar ao discurso de querer outra pessoa – ou ninguém – e justificar que a sua fase é outra. Este é um direito seu.

Agora, me diz: você já percebeu que ele te quer e, no fundo, usa esse fato a seu favor, né? Você da a partida nesse jogo. Demora para responder, sabendo que se responder rápido, lá estará ele para interagir. Some dois dias para manter as coisas frias. É um jogo sem vencedor. Já percebeu também?

Ele quer você. Poderia ser outra pessoa, mas é você.
Ele quer o seu beijo. Ele quer seu abraço, provavelmente seu sexo. Quer uma noite com você. Quer uma vida inteira. Como saber? Não existe questionário de intenções. Ele pode querer você só hoje. E daí? Ele pode querer você amanhã também. E daí? Ele pode querer você pra sempre. E daí? De novo, ninguém te obriga a nada e a decisão é unicamente sua, já que ele, por sua vez, já mostrou querer você. Ele querer você só bem a você.

Talvez ele não te chame para sair. O seu escudo é grande demais. Ele planeja algumas coisas, ele já sabe que roupa escolher, mas tem receio em te convidar para fazer algo. Você é sempre tão reativa, corta as intenções pela raiz mesmo sem saber se elas são boas. Consegue ver?

Ele quer você. Vocês não sabem o que pode acontecer. Outro fato. Não sabem se gostarão do que pode acontecer. Não sabem se a química vai aparecer. Mas, vem cá, o que tudo isso importa agora? Faz sentido para você o fato de que questionar só te faz perder tempo? Como vai saber se gosta se não pagar pra ver?

Ele quer você.
E você? Você espera querer quem também te quer?
Você espera, espera tanto que, outro alguém que te quer como ele, pode demorar para aparecer.
E você sabe disso. Assim como sabe que hoje, não amanhã, não depois, hoje, ele quer você.

por Márcio Rodrigues.
@marciorodriguees

Quando a gente volta para casa

Independente do que a gente possa ter vivido no dia, é quando a gente volta para casa que a gente pensa melhor. É um tempo nosso. Um tempo para ver se a ficha cai, independente do que a gente possa ter vivido. Nos dias ruins, a volta para casa parece demorar ainda mais. Os semáforos insistem em vermelhar feito o sangue que escorre do nosso coração machucado. Nos dias bons, por sua vez, nada é problema e tudo a gente pode esperar. Tudo bem se o semáforo vermelhar, tudo bem até se o ônibus quebrar. Tudo se torna ainda mais histórias para contar quando a gente chega em casa.

A volta para casa é um ritual que todos passamos. Pode você morar na cobertura do bairro nobre voltando dentro do seu carro 2.0 que esmaga o asfalto; pode você morar no puxadinho de alvenaria alugado lá na periferia, voltando esmagado no ônibus, metrô, trem e uma caminhada. Todo mundo volta para casa no fim do dia.

Tem muita gente que tem medo de si mesmo. São pessoas que não gostam das suas próprias companhias. Fogem de almoços desacompanhados e de qualquer outra atividade a ser feita sem ninguém. Elas só não podem fugir, porém, das voltas para a casa. Ainda que um dia e outro tenham companhia, haverá aquele dia em que ninguém estará ao lado para conversar. E isso não é problema, porque já concordamos com a verdade de que, por melhor que seja a companhia de alguém para você, você sempre será a sua melhor companhia.

Nas voltas para a casa, em geral, a gente coloca uma música. E aí a gente se vê no reflexo do vidro do metrô com os nomes das estações passando mais rápido que os olhos podem acompanhar; a gente se vê na janela do ônibus refletindo os braços esticados de tão apertado.

Quando a gente volta pra casa a gente pensa se manda a mensagem ou não, a gente também começa a ler as recebidas. Quando a volta pra casa é feliz, a gente até esquece que estamos com outras pessoas por perto e cantamos os refrões que beijam nossos ouvidos. Quando a volta é triste, porém, a gente quer se esconder, fugir e não ver ninguém. Quando a volta pra casa é triste a gente não quer que conhecidos nos encontrem perdidos.

Se o destino não intervir, você sempre vai voltar para casa. Nas segundas, sextas ou sábados de manhã. Você vai voltar. Seja morando com os pais ou sem ninguém. Se não for do tipo que se distrai lendo ou ouvindo música, use alguma dessas voltas para pensar na sua vida, nos seus planos e no seu passado recente. Reflita como foi seu dia e onde que poderia ter sido melhor. Comemore o segundo feliz, aquele #1minuto1sorriso que viveu.
Uma das maiores grandezas é reconhecer quando somos pequenos. Presta atenção na sua volta para casa. Coloca uma música que te faça relaxar, nem feliz nem triste, só relaxar.

Já voltei pra casa sorrindo sozinho que não lembrava que as pessoas me viam no metrô. Já voltei pra casa chorando ao volante cortando a Avenida Paulista da mesma maneira que meu peito foi cortado naquela noite. Já dei voltas no Shopping só pra cabeça esfriar antes de ter que voltar. E mesmo quando eu não tinha muito o que fazer para demorar a voltar, eu chegava em casa e me escondia de mim. Me calava e me deixava transbordar tudo aquilo que me fez chegar àquele ponto. Só que hoje eu volto pra casa agradecendo por voltar, feliz por ter saído e certo de que vou sair todos os dias determinado em escrever alguma página nova da minha vida. Não é só viver mais um dia, é viver uma vida inteira em um dia.

Boa volta pra casa para você que está lendo e voltando, para vocês outros, boa próxima volta para casa. Esqueça da vida mas não esqueça de você e, se caso se esquecer, na volta pra casa você vai lembrar. É preciso se apaixonar pela própria solidão para saber lidar com os motivos tristes nas voltas para casa.

Márcio Rodrigues.
instagram: @marciorodriguees

“Vamos ver um filme em casa?”

O que você vai fazer hoje?
Eu vou ficar sozinho em casa e, sei lá, tem um filme que todo mundo está falando super bem que tem no Netflix. Pensei em te chamar para assistir. Se não estiver com vontade de filme, a gente pode fazer uma maratona de alguma série. Que tal? É que de qualquer forma eu faria isso sozinho, a diferença é que estou te convidando para me acompanhar.

Ah, para vai, qual o problema de ser de hoje para hoje? O legal da vida não é a gente viver coisas boas sem planejar? Eu vou te buscar e te levo de volta quando quiser. Já abri o Waze, me fala seu endereço para eu estudar o caminho. Coloquei o tênis. Tá, se não quiser que eu vá até aí, está rolando desconto da 99TAXIS. Viu como parece que tudo está ajudando?

Ok, se não fora exatamente agora a gente combina uma hora boa para você, mas não precisa se preocupar em ir embora logo, ninguém vai chegar tão cedo. Oito horas? Nove e meia?Tudo bem para você dormir fora? É que eu sou meio viciado assim em séries, então bem capaz que eu não veja problema em emendar a noite toda.

Ué, se você dormir rápido a gente dorme. Isso, dorme. Sério! Dorme. O que você está insinuando, hein? Para mim a única intenção aqui é convidar uma pessoa bacana pra ver um filme comigo. Até porque, convenhamos, você não vai fazer nada hoje além de perder horas subindo e descendo a timeline do Facebook, revezando com likes no Instagram, views no Snapchat e voltando para a timeline.

A gente pode pedir algo para comer.
Tem uma pizzaria aqui que eu sempre peço que é muito boa. O que você acha?
Como assim? Hahaha, você fala de um jeito como eu fosse a pior pessoa do mundo, uma ameaça como se você corresse o risco de eu te sequestrar. É bem mais longe disso, vai.

Tipo, traz roupa para dormir.
Explico: é só para você ficar mais confortável no sofá e não amassar sua roupa. E, claro, além disso, também já facilita caso você pegue no sono.
Tá bom, tá bom, tudo bem. Não precisa trazer nada. Te empresto uma camiseta velha CASO precise.

Vem?
Aqui não vai ter nada que não te faça bem. E a minha intenção é só te fazer se sentir melhor ainda. Tipo, então, quero dizer que se quiser comer outra coisa que não comida eu posso pegar pra gente. O que importa é ter comida, né?

Acho que hoje é uma oportunidade pra gente fazer algo legal juntos. E sim, eu sei que isso pode acontecer outro dia, eu sei que “a gente pode combinar qualquer dia”, eu sei. Mas e por quê não hoje? Por quê não nessa noite? Por quê a gente vai esperar outra noite chegar se essa já chegou? Hoje tem tudo pra gente lembrar amanhã. E é só ver um seriado. Né? Ficar de meia no tapete. Deitar nas almofadas.

O que você vai fazer hoje? Viu só? Você sabe que não tem coisa melhor.
Mas a gente pode fazer muita coisa juntos hoje.
Tipo ver um filme ou um seriado.
E só.
Né?

Márcio Rodrigues.
@marciorodrigues

 

É sobre você, mas você nem vai saber

Te percebi e imaginei como seria a sua vida e se teria espaço para eu me encaixar nela.
Fiquei pensando como seria ser sua companhia; como seria pra mim te ver indecisa passando a mão no cabelo enquanto escolhe o que pedir na cafeteria. Como seria? Será que a gente teria assuntos para nos distrair? É sobre você, mas você nunca vai saber.

Me transportei para as primeiras horas do seu dia só para imaginar um pouco mais do seu mundo. Lá, pensei no jeito que você acorda. Será que coloca o celular no lado direito ou esquerdo da cama? Será que, quando levanta, também fica procurando os chinelos com os pés como eu faço? No banheiro, antes de lavar o rosto, será que prende o cabelo em um rabo de cavalo ou só separa em duas metades atrás das orelhas? No café da manhã, será que escolhe no saquinho dos pães os mais branquinhos ou queimadinhos? Manteiga ou requeijão? Um Snap ou uma foto no Instagram? É sobre você, mas você nunca vai saber.

Pensei em como escolheu essa sua roupa que te vejo vestir hoje.
Ao planejar chegar tarde em casa, checa o celular para confirmar a previsão do tempo para o dia. Confirma o sol pelo teaser das primeiras horas da manhã. Abre o guarda-roupa, coloca as mãos na cintura e pensa: “Não tenho o que vestir!” mesmo tendo quinhentas e setenta e quatro peças para escolher. É oficial: Um vestido florido, daqueles coloridos que harmonizam com a luz do sol, e um tênis, sapatilha ou sandália, a definir, para acompanhar. Um shorts cauteloso por baixo para se proteger das rajadas de vento. É sobre você, mas você nunca vai saber.

Será que hoje vai ao cinema? Será que prefere as poltronas do meio ou as laterais no cinema? – me pergunto.
É como se eu tentasse descobrir a sua vida sem saber quem você é. O que será que vai fazer nesse dia de sol? Algumas peças mais para o guarda-roupa ou alguma paz do parque para o coração?

Quando volta pra casa, cansada mas feliz, será que escolhe mais um episódio do seriado ou um filme esquecido para assistir? No banho, o frasco do shampoo na mão direita derramando na esquerda. Ou o contrário? Enxágua já embaixo d’água ou tira a cabeça para ter tempo de massagear? Um sabonete preferido para beijar a pele. Fecha o registro do chuveiro, gotas finais no pescoço. Alcança a toalha e a envolve no corpo, da direita para a esquerda, uma volta e meia, pouco acima dos seios. De cabelos lavados, escolhe outra toalha para fazer um turbante secador. É sobre você, mas você nunca vai saber.

Um pijama limpo para relaxar, edredom enroscado nos pés, metade dos joelhos para fora. Checa o despertador, vira de bruços. Até amanhã.

Te percebi e imaginei como seria a sua vida e se teria espaço para eu me encaixar nela. Me atrevi a imaginar cada minutinho do seu dia. Te percebi e olhei para as minhas mãos para ver se combinaria ao andar com a sua. Te percebi mas por você passei despercebido. Por isso é sobre você, mas você nem vai saber.

Márcio Rodrigues.
@marciorodriguees

Eu vou cuidar de você

Não por você já ter sofrido antes, não por isso. Até porque eu também já sofri um bocado. Eu vou cuidar de você porque eu quero te manter bem, se você quiser. E porque você possui uma energia bonita demais para perder sorrisos do rosto.

Provavelmente vou falhar na tentativa de te fazer invencível, mas pelo menos uma das mãos que vai te levantar será a minha.

O mundo anda muito estranho.
O pedaço de músculo que as pessoas carregam no peito nunca esteve tão longe de ser um coração, mas eu quero te lembrar sempre do seu e de como ele faz bem por onde passa.

Eu vou cuidar de você, não porque você não consegue se cuidar sozinha, mas porque a gente nunca é bom o bastante que outro alguém não possa nos ajudar e ser melhor.

Vou cuidar de você deixando a cortina fechada mais tempo de manhã aos fins de semana. Vou cuidar de você buscando na cozinha os talheres que esquecer na hora de jantar. Vou cuidar de você lembrando de desligar o despertador na sexta a noite e de ligar na noite de domingo. Vou cuidar de você colocando no carrinho do supermercado o que você gosta de comer. Eu vou cuidar de você no que você me deixar participar da sua vida. Eu não quero mudar seu jeito, não quero te fazer seguir o meu, mas eu quero estar por perto te emprestando um abraço quando seus braços cruzados não aliviarem o frio no inverno; quero estar por perto para te oferecer do meu sorvete quando o seu acabar no verão. Eu vou cuidar de você para destacar a sincronia entre seu perfume e o cheiro das flores que espalha pela casa.

Acho que as pessoas não querem muito ser cuidadas hoje em dia. Ou elas não sabem explicar até onde elas querem ser cuidadas. E tudo isso se confunde, sobretudo, com cuidar da vida da pessoa. E não é sobre isso, é sobre cuidar da pessoa, não da vida dela. Quando a gente cuida da vida, a gente impõe regras que julgamos certas para a pessoa ser feliz; quando a gente cuida da pessoa, a gente fica perto, opina e apoia as regras que a pessoa julga certas para ser feliz, ainda que não concordemos tanto assim.

E este é quem eu quero ser para você.

Quero cuidar de você porque essa viagem da vida é longa demais pra percorrer sem companhia. Talvez não seja eu quem estará com você até o fim, mas sou eu hoje quem quer caminhar até onde a gente conseguir.

Eu vou cuidar de você para você não sentir medo. Tenho um par de ouvidos descansados para ouvir seus receios e lamentos. Seria bobagem eu dizer que comigo a vida é sem medo, mas é certeza dizer que comigo a gente enfrenta qualquer medo. E o medo sente medo de quando estamos juntos.

Eu vou cuidar de você porque, ao mesmo tempo, você estará cuidando de mim. A sua energia transborda a minha. Você é a enchente de sentimento bom que a minha vida sentia falta. Eu vou cuidar de você porque a gente cuida de quem a gente gosta.

Márcio Rodrigues.
@marciorodriguees

Você se machuca demais

Ironicamente, um dos seus grandes problemas é também uma grande virtude: você tenta até cansar. E mesmo quando cansa, você vai lá e tenta de novo. Você insiste sempre. Você não sabe muito bem que papo é esse de limite. Você encontra uma maneira de tentar diferente. “E se eu puxar assunto sobre x coisa?”reflete sozinho. Você cava oportunidades e estuda um jeito que não seja intromissivo.

Só que o fato de você não ver a hora de parar é o que tanto te machuca.

E menos pior é a dor que a gente sabe como é causada, pois, certamente pior é quando a solução está fora do nosso alcance.

A sua teimosia em insistir até não poder mais é o que te corta o peito.

Não. Essa pessoa que não sai da sua cabeça não vai te responder. Você não vai conseguir ter a resposta que deseja, sequer uma resposta qualquer uma que seja. E pior, essa pessoa pode responder todos a sua volta, menos você. Você pode passar a ser invísvel para essa pessoa. Passará a ser algum objetivo decorativo no qual ela olha quando lembra que existe. É horrível, né?

Horrível e brutalmente verdadeiro.
Você se machuca demais porque apesar das experiências te mostrarem como é se foder nas mãos de alguém, na próxima oportundiade você se fode de novo. Repete os erros feito dias na semana. É só aparecer alguém novo na sua vida que lá está você fazendo tudo que sabe que é errado: Lá vai você se atropelando, lá vai você sufocando, lá você metendo os pés pelas mãos. E nessas horas, devo te dizer, não adianta a intenção ser boa se o resultado é péssimo.

Eu gostaria que você respirasse um pouco mais e procurasse se preservar. E que procurasse também mudar o foco da sua energia, cuidando da sua saúde, família e dos seus amigos. As coisas não vão dar tão certo sempre e se despesperar não vai cortar caminho.

Você não é uma má pessoa. E as outras também não são.
Só que para que tudo funcione é preciso haver sincronia. E isso é difícil, sabe? Leva um tempo até a vida organizar relógios iguais de pulsos diferentes. Leva um tempo até a gente encontrar quem termine a nossa frase. Fácil nunca será.

Você é inteligente o bastante para entender o que quero dizer e, além disso, já possui experiência para confirmar essas coisas.

Está tudo bem. Não tem problema a vida ter uma ou outra curva. Acontece.
Mas procure tirar férias de você. Férias dos seus desejos. Tire uns dias para o seu coração. Valorize o intervalo entre os beijos em bocas diferentes. E, bem além disso, na próxima vez que tiver olhos tão perto de você a ponto de te refletir os seus, seja por inteiro para que este alguém veja você como alguém para transbordar. Ainda que você sufocando, se atropelando, sendo quem você é.

Você se machuca demais e, por favor, não se esqueça: muita da nossa dor é causada por nós mesmos.

Márcio Rodrigues.
@marciorodriguees

Se a gente contar ninguém acredita

Lá no começo, antes da gente ser a gente, eu não reparava muito em você. Tá, até que eu te achava alguém bacana, mas meu interesse acabava aí. Eu nem tinha a intenção de te ver de outra maneira – assim como qualquer pessoa que não espera outra pessoa entrar na vida.

Lembra que eu te motivei a correr atrás daquela garota?
Você parecia empolgado e, pelo pouco que te conhecia, eu me sentia no dever de te falar que você deveria sim ir atrás dela antes de se arrepender. Até porquê, eu no seu lugar faria isso.

Mas você não foi. Você preferiu ficar. E foi ficando outros dias também.

E aqui você está na minha vida até hoje. Em pensar que nesse momento era outra boca que você estaria beijando no lugar da minha. Olha essa vida como ela é.

Acho que no fundo a gente não era pra ser a gente não.

Explico: foram tantas dificuldades e forças contra nós dois, que passou pela minha cabeça estar insistindo em algo que não deveria acontecer.

O que eu não esperava, porém, é que nasceria algo em mim e em você que fizesse a gente ser a gente, de um jeito ou de outro. Seja você, aos poucos, se importando comigo e abrindo mão das suas coisas pelas minhas; seja eu, me deixando levar e permitindo você destrancar o meu coração que eu já tinha até perdido as chaves.

Teve gente que quis que a gente se fodesse sim. Desse jeito, com essas letras. Teve gente que, apesar de não torcer contra, também não facilitou a favor. Teve gente que criou problemas. Teve de tudo e toda gente, mas teve muito da gente e continua tendo. Hoje, alguns anos depois, nós somos além do que já imaginamos. Hoje eu lembro das vezes que chorou vendo nossos planos irem por água abaixo por motivos fora do nosso controle e penso: só não era aquela outra, mas será outra.

Se a gente contar ninguém acredita porque eu mesmo não acreditava na gente no começo. Muito além dos clichês sobre começos inesperados, eu praticamente te empurrei para outra pessoas, mas você acabou voltando pra mim. Acho que era a vida dando um sinal que toda a minha segurança se tornaria pó perto do peso que o coração tem nessas horas.

Lá no começo, antes da gente ser a gente, eu não reparava muito em você. Hoje que a gente é a gente, eu não reparo em ninguém além de você.

Márcio Rodrigues.
@marciorodriguees

 

« Older posts