Amor não precisa doer

Eu não sei de onde tiraram esse papo de que “amor é assim mesmo” para algumas coisas como, por exemplo, sofrer. “Ah, não liga não que isso faz parte” é o que a gente ouve quando revelamos alguma coisa que não deu certo com alguém ou alguma chateação nossa. É como se minimizássemos os problemas com essas respostas na intenção de surtir um efeito de alívio, algo como “então tá, tem razão”. Não, não tem razão. Amor não precisa doer. Nunca vai precisar.

Essa é uma ideia errada e que reforça os momentos que ninguém quer viver em relação nenhuma, menos ainda num relacionamento sério com alguém.

É inconcebível entrar no discurso de que “é assim mesmo” quando se trata de problemas que envolvem duas pessoas. Isso não anula, porém, a necessidade de encarar o fato de que nem todos os dias numa história a dois são bons.

Amor não precisa doer porque não é essa a função dele na nossa vida. Amor não precisa doer e a gente precisa muito reverter este quadro, quebrar estas viciadas formas de pensar. Amor não precisa doer e não precisa ser complicado. É que justamente ao complicar que ele começa a doer mesmo.

A gente não precisa brigar pelas pequenas coisas se a gente fizer com que essas pequenas coisas simplesmente não existam – ou se a gente tentar resolver. A gente não precisa discutir o tom da voz numa conversa se o nosso tom sempre for respeitoso, ainda que para discordar – ou principalmente. A gente não precisa entrar no jogo de “não falar nada para não parecer grude demais” se a gente simplesmente reconhecer que queremos fazer bem a alguém sendo quem somos. A gente não precisa dormir e acordar triste com vontade de voltar para alguém se a gente simplesmente acabar com o nosso orgulho e falar o que sentimos. A gente não precisa empurrar um negócio ruim com a barriga se a gente simplesmente pedir para conversar e tentar entender. Vê como o amor não precisa doer? Vê como essa ideia errada? Vê como não precisa ser difícil?

A gente precisa mudar esse mundo.
Precisamos começar fazendo a nossa parte para fazer as pessoas pensarem duas vezes antes de agir tão no automático. É que está tão enraizado por gerações essa ideia de que amor dói e é assim mesmo que fica difícil desconstruir esse pensamento. Porém, é preciso. Vai ser foda, mas vamos tentando. É preciso mudar esse pensamento se o que queremos é ter uma vida mais leve, bonita e nem por isso menos real cheia de lombadas para a gente atravessar. A gente precisa começar a falar o que queremos. Precisamos fazer alguém saber quando sentimos saudade desse alguém. Precisamos pedir desculpas para ficar bem ao invés de “esperar a pessoa vir falar alguma coisa”. Precisamos focar em resolver os problemas, não aumentá-los. Precisamos dedicar mais força para bons momentos para que tenhamos força o bastante para superar os maus.

Amor não precisa doer. De verdade. Tira isso da sua cabeça. Esqueça essa ideia de deixar de ser quem você é só para ser conivente com algo que não concorda. Talvez seja por isso que conhecer alguém, dizer que gosta de alguém, querer ver alguém, falar da saudade de alguém ou qualquer outra coisa que envolva alguém, ultimamente, seja algo tão difícil de acontecer. Porque as novelas nos ensinaram que existe padrão para tudo. É o típico caso de saber que o casal que briga no começo vai terminar juntos no fim. Apesar disso realmente ser um retrato da vida, isso não precisa ser encarado como padrão. Às vezes eles não vão ficar juntos mesmo. Essa é a vida real. É que somos nós que podemos romper os padrões! Somos nós a surpresa que queremos ter. Somos nós que podemos descartar o óbvio e fazer do jeito que a gente SENTE. Somos nós. A gente precisa fazer mais o que a gente sente e menos o que dizem para a gente fazer. E precisamos também questionar mais o que raramente foi questionado, tipo esse papo do amor doer.

Eu não sei dizer se vai dar tudo certo sempre, mas você sempre vai poder dormir em paz com a certeza de que fez o que queria, principalmente, se o que sente é amor.

Tenta uma vez e depois me conta como foi?

/////////////

por Márcio Rodrigues.
@marciorodriguees
umtravesseiroparadois@gmail.com

-> Siga no Spotify a playlist com músicas que ouço para escrever: Um Travesseiro Para Dois

2 Comments

  1. As pessoas tem tanta dificuldade em pedir desculpas, de demonstrar que está sentindo

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*