A essa altura, muito provavelmente você já viu milhões de fotos de casais e postou a foto com quem você namora. E isso é tão bonito se você tem motivo para celebrar; se é uma história recheada de respeito, reciprocidade e consideração. Isso é tão bonito que palavras pouco conseguem descrever. Se é o seu caso, que coisa linda e que todos os dias de alegria se repitam na vida de vocês, agora, se não é seu caso, para e pensa um pouco.

Você postou a foto parar comemorar algo que nem sabe mais como chamar.

Você postou uma foto sobre dia dos namorados mas sabe bem que, no fundo, você não quer mais namorar essa pessoa – ou sente que a pessoa não quer mais namorar você. Você postou uma foto sobre dia dos namorados mas sabe bem que, no fundo, esse seu namoro está te fazendo mais mal do que poderia imaginar. Você postou uma foto sobre dia dos namorados mas sabe bem que, no fundo, esse seu relacionamento é abusivo e você nem se reconhece mais, não enxerga suas qualidades, seus amigos te estranham, seus gostos mudaram, você deixou de cuidar de si como tanto gostava; você se perdeu de você.

A gente tende a idealizar histórias que queremos viver e isso nos impede de ver a história que estamos vivendo.

Eu sei que ler tudo isso em pleno dia dos namorados pode parecer desastroso demais, mas eis o grande ponto: do que adianta viver um dia de alegria se todos os outros são tão legais assim? De que adianta aparentar viver uma história bonita se você chora pelos cantos por não entender mais o que fazer para melhorar? De que adianta mandar uma mensagem querida recheada de sentimento bom para ser visualizada e não respondida? Você pensa nisso? Comemorar o quê? Porque inventaram datas pra gente fingir que esse dia deve ser diferente dos outros sendo que todos os dias devem ser diferentes entre si?

Talvez hoje – e sim, justamente hoje – seja uma boa oportunidade para você encarar que a sua história está respirando por aparelhos e que nenhuma mente dorme tranquila sabendo que algo está errado.

Eu não quero te encorajar a tomar atitudes porque apenas você sabe o que é o certo na sua vida e ninguém mais, mas gostaria que refletisse sobre os momentos que tem vivido e o quanto tem te feito bem ou não. Gostaria que ponderasse se o que tem vivido é sobre migalhas ou pratos cheios. Esqueça essa data, esqueça o presente, pense sobre a rotina, pensa em ontem, anteontem e semana passada e o peso dos problemas que só vem com a vida a dois e todas as dificuldades que envolvem manter uma relação.

Poucas coisas são mais especiais nesse mundo do que ter alguém para nos acompanhar e tornar os dias mais leves, mas isso só funciona quando a gente consegue confiar no que está sendo vivido, ao invés de só desejar viver uma coisa especial. Vê a diferença? A gente precisa tomar cuidado para não projetar felicidade em pessoas que não podem nos dar mais.

Eu sei que você entrou na inércia da data, escolheu a foto, o filtro, talvez uma foto mais antiga para ser postada novamente com uma legenda do tipo “só porque amei esse dia” ou “apesar de você não gostar dessa foto”, eu imagino o tamanho do seu esforço para colocar uma estrela nesse dia comemorativo, mas qual o tamanho do esforço que te fazem para colocar estrelas em todos os outros dias? Será que você só não aceita enxergar porque é melhor ter uma história estranha do que história nenhuma?

Será que você não poderia ponderar que talvez nem seja mais sobre a pessoa, mas sim sobre você e as suas mudanças? A gente tem o direito de sonhar, mas a gente deve viver com o pé no chão para não nos machucarmos.

O amor não é alguém, é o que sentimos. O amor é combustível, não improviso. Amor nenhum sustenta relação nenhuma. Amor é nada se não tiver o todo. “Eu te amo” não quer dizer nada se não nos mostram isso.

Coloca a sua vida à frente da sua história para pensar se você tem dedicado mais de si do que pode ter, ou pior, do que tem recebido. Pois amor, fundamentalmente, é reciprocidade. Às vezes ninguém tem culpa, nem você nem a pessoa que está com você, mas o apego é maior do que o sensibilidade de enxergar a vida como ela é.

Este não é um texto necessariamente contra o Dia dos Namorados, é um texto a favor da Vida dos Namorados; são alguns pensamentos sobre a trajetória e não sobre um dia especial. É um texto que inclui contas para pagar, problemas na família e salários baixos, mas é um texto com uma intenção clara: provocar a reflexão de que se há algo para melhorar, que façamos a nossa parte para tal – às vezes não é ainda um ponto final, agora, se não há, que façamos a nossa parte para nos libertar e deixar de sonhar em viver dias bons e começar a viver os dias como são.

por Márcio Rodrigues.
@marciorodriguees
umtravesseiroparadois@gmail.com