A gente parece esquecer, mas a verdade é que contar que a gente gosta é transformador.

Eu entendo os motivos, entendo, por exemplo, que o passado atrapalha porque a gente contou outras vezes e a resposta não foi a que a gente esperava, mas eu acho que é exatamente aí onde mora o problema: na velha espera para que as coisas aconteçam de um jeito que a gente vai gostar.

As coisas só acontecem.

Mas contar que a gente gosta sempre vai ser bom. Contar que você gosta sempre vai ser correto. Deixar aquela pessoa saber das coisas que você sente sempre vai ser uma boa escolha.

É triste demais guardar dentro da gente um sentimento bom por alguém. O nosso “gostar” é só nosso, é sobre a gente, não sobre a forma que alguém vai reagir.

O problema – e eu entendo – é que até falar uma coisa boa para alguém pode ser algo ruim. As pessoas se assustam com bons sentimentos. O mundo anda tão louco que todo mundo anda despreparado para ouvir palavras boas. A gente se perdeu e isso uma é uma pena. Repetimos por aí que não sabemos reagir a elogios e isso é uma das verdades mais loucas que existem, afinal, reagir a uma coisa boa deveria ser natural pra gente, mas temos ouvido tão pouco que esquecemos o que fazer ao receber uma palavra bonita ou algum tipo de declaração.

O despreparo em saber reagir a um sentimento bom demonstra o quanto a gente esqueceu como é ser feliz.

Mas isso não pode nos evitar de deixar de dizer coisas boas que sentimos pelas pessoas. A gente tem na mão a força transformadora de revitalizar dias e transformar a vidas com poucas palavras. E, de novo, não é sobre como a pessoa vai reagir, mas sim, sobre tudo o que você guardou em si para aquela pessoa.

Conta que você gosta. Não seja mais uma pessoa a esconder em si o que deve ser de conhecimento de alguém.

Conta. Se não der pessoalmente, pega seu celular, abre a conversa e escreva o que sente. Deixa a pessoa saber disso. Deixa ela só saber que você a vê de um jeito diferente; um jeito bom e um jeito seu. Deixa ela saber. Essa pessoa precisa saber.

Conta que você gosta. Conta como começou a crescer e como isso te faz bem. Conta sobre como foi algo que você não podia escolher, você só passou a sentir. Mas, por favor, não deixa de contar.

Conta e depois durma na paz de um sentimento que não deveria morar apenas em você.
Conta e depois respire fundo para confirmar para si o quanto fez a escolha certa.
Conta e depois me conta como foi.
Não quero saber o que a pessoa disse, quero saber como você se sentiu.

Fica bem.

por Márcio Rodrigues.
umtravesseiroparadois@gmail.com
@marciorodriguees