Considere duas pessoas: a pessoa A e a pessoa B.
Essas duas pessoas tem uma amizade muito boa. Daí a pessoa A começa a ver a pessoa B de um jeito, digamos, mais especial. Só que a pessoa B não vê a pessoa A de uma maneira diferente além de amizade. E aí temos um jeito de conceituar a friendzone.

E ninguém tem culpa nessa história.
A gente não gosta de alguém porque a gente quer, tipo: “bom, vou começar a gostar daquela pessoa ali”. A gente só se vê gostando da pessoa. É isso. E não há problema nisso. Por outro lado, a gente não consegue gostar de alguém só porque esse alguém gosta da gente. Não dá para obrigar nosso coração a sentir coisas que ele não tem vontade. E, de novo: não há problema nisso. Isso acontece. Faz parte.

E tem até uma lógica que ajuda a contribuir para o interesse entre amigos.

A amizade entre duas pessoas é a soma das melhores energias boas. Assim como em uma relação afetiva, numa amizade há os pilares de admiração, de respeito e confiança e quanto mais fortes são esses sentimentos, mais forte é a amizade. E, de tão forte essa amizade, mais chances ela tem de parecer ser algo a mais que amizade para alguma das duas pessoas. Acontece. É que você passa a ver naquela sua amizade a pessoa que você gostaria de ter ao seu lado. Você passa a identificar que todas as qualidades são coisas que te inspiram e te fazem bem, ao passo que todos os defeitos são coisas contornáveis. Em uma amizade você conhece tanto da pessoa que já sabe lidar com os dias bons e ruins dela, ou seja, imagina como seria se isso se tornasse uma relação afetiva?

Só que nem sempre é tão certinho assim.
Como não dá para controlar o que sentir ou quando sentir, em geral, alguém sofre com a famigerada friendzone que, em outras palavras, é uma relação afetiva não correspondida e que tem desdobramentos diversos. A friendzone acontece também quando você está claramente interessado na pessoa e a pessoa está claramente interessada na sua amizade. Apenas. Quando você dá a entender algo a mais e a pessoa dá a entender aquilo de sempre mesmo. Quando você convida para sair, sei lá, compra uma roupa, escolhe um lugar e planeja todos os passos e a pessoa, bom, a pessoa foi com você mas conversa com outrx em paralelo no Whatsapp. De novo, não há exatamente um culpado na friendzone do ponto de vista de não ter controle no que sentir e no que retribuir. Não se deve culpar alguém por não retribuir o que sente, nem você deve sofrer por sentir alguma coisa.

Tem relações que realmente não funcionam muito bem se evoluírem para outra coisa. Tem amizades que podem deixar de ser amizades se em algum momento alguém tentar algo a mais. E aí temos duas coisas: o valor de quem fala o que sente e a sensibilidade de quem ouve. Talvez o que fazer para evitar estragos disso seja considerar que as coisas podem não dar certo, considerar que a pessoa pode não te ver como você gostaria só porque você já a vê de um jeito diferente e porque nutrem uma amizade. E aí a conclusão pode ser que a escolha vai ser ter a pessoa na sua vida em forma de amizade ou não ter de forma nenhuma.

Por outro lado – e sempre há outro lado – uma amizade tranquilamente pode evoluir para algo mais especial. Assim que constatado um sentimento diferente, é possível que floresça em ambos um interesse que jamais imaginavam ter antes e que, justamente por serem amigos, pode contribuir para uma relação com respeito, admiração e confiança. É a grande história de que se melhorar, melhora. Você que é mais céticx quanto a essa ideia pode se surpreender com a possibilidade de encontrar em quem sempre esteve ao seu lado, alguém que você tanto procurou em outros lugares.

Não dá para prever como vai ser. Nunca dará. O que dá é para confiar que falar o que se sente sempre será a melhor opção. Amizades podem ser para sempre boas amizades, mas podem ser para sempre boas surpresas.

A friendzone é quando alguém só te vê como amigx, quando alguém não consegue te ver de um jeito que você gostaria – e não consegue nem tentar ou nem quer tentar. E felicidade é quando você consegue conviver com a possibilidade de tudo na sua vida acontecer ou não como você gostaria.

por Márcio Rodrigues.
@marciorodriguees
umtravesseiroparadois@gmail.com
_______________________________________
CANAL NO YOUTUBE!
 CLIQUE AQUI, assista aos vídeos, comente se sentir vontade e se inscreva. 🙂

PLAYLIST OFICIAL:
Todas as músicas que ouço para escrever os textos estão NESTA PLAYLIST.