Passei um tempo pensando no porquê da gente não avançar.
Me questionei muito, afinal, a gente se dá muito bem e isso parece ser um bom componente para, pelo menos, tentar ver até onde a história vai dar. Acabou que eu entendi o porquê.

Nossa história não vai além do sexo.

O nosso sexo é o que nos une – pelo menos para a minha parte. E eu não quero que isso pareça algum tipo de joguinho, tendo em vista que ambos ganham com o sexo. Eu só refleti e cheguei a uma conclusão que fez sentido para mim sobre a gente – e você tem o direito de discordar.

A gente está nessa há tanto tempo porque quando a gente se encontra a gente se conecta. A gente se dá bem, especificamente na cama. Eu não sei o quão estranho parece eu falar isso dessa maneira, o quanto você pode me considerar uma pessoa fria, mas no fundo, a verdade é que a nossa história não vai além do sexo.

Não dá para forçar gostar de alguém. Eu tentei te ver de formas novas para não ser uma pessoa injusta, mas eu não consegui e isso começou a me machucar porque eu não entendia, no fim das contas, porque a gente ainda tinha alguma ligação. Mas tudo isso fez sentido depois que entendi que o nosso forte é o sexo.

Eu não estou dizendo que sexo é algo simples, tampouco reduzo que não o valorizo. O que estou dizendo é que entre todos os pilares que sustentam uma relação, eu só enxergo o sexo entre a gente capaz de dar alguma base. É claro que há respeito, claro que há carinho e afinidade, mas o que mais existe é tesão carnal. A gente conversa muito, só que a conversa fica melhor depois de transar. A gente troca conselhos e pontos de vista sobre vida, mas em geral, depois de transar. É quase como se a gente só funcionasse bem quando tiver sexo envolvido. E eu sei que isso não é uma coisa boa de ouvir, mas me parece uma grande verdade e difícil demais de segurar. Eu não consigo enxergar outra coisa para ainda estarmos “”””juntos”””” além da nossa vocação para transar.

Não quero que pense que isso é objetificação. Ninguém entre nós está usando um ou outro. As pessoas tem mania de relacionar o sexo com “alguém que usa alguém e se beneficia disso” quando nem sempre é assim, afinal, desde que nenhum sentimento além seja conscientemente cultivado sem ser correspondido, trata-se de duas pessoas que gostam de dormir juntas eventualmente. Talvez a gente precisa ser um pouco mais literal na vida para ver se as dores precisam doer tanto assim. Em outras palavras, um pouco de racionalidade é fundamental para saber proteger tudo o que é de emocional dentro da gente.

Então, entre a hipótese de haver amor ou algum outro tipo de atração afetiva, ficou mais clara pra mim a possibilidade da gente se dar bem porque a gente gosta muito do nosso sexo.

Isso não é uma despedida, não estou falando que vou embora ou te pedindo para me deixar, eu só estou dizendo tudo isso para que possamos ter posição sobre o que estamos vivendo, principalmente por estarmos saindo há tanto tempo e nos mesmos moldes: um chama o outro no  Whatsapp, um convite surge e uma noite muito boa acontece. Parece frio demais falando assim, mas eu vejo como algo alinhado e que faz bem para nós.

O mais importante nisso tudo é a gente saber a mesma coisa que ambos sentem e pensam. A gente precisa conversar sempre para entender que nome dar para os sentimentos e ninguém aqui se machucar. É claro que eu não sei exatamente o que você sente com isso tudo, mas estou contando a minha parte que é a outra metade fundamental para algo acontecer entre nós.

Eu não sei o que vai ser da nossa história amanhã, mas hoje eu sei que é sexo. Pelo menos pra mim.

E isso, desde que combinado, não significa algo exatamente ruim.

por Márcio Rodrigues
umtravesseiroparadois@gmail.com
@umtravesseiroparadois
@marciorodriguees