Vai ser injusto se eu ouvir que não tentei.
Lembra das vezes que te escrevi?
“E se a gente fizer algo sábado?”
Você respondia que: “vamos ver”

E a gente nunca viu. A gente nunca se viu.
No fundo, os sinais indicam que você nunca quis, mas também não sei porque não me contou isso.
Ou é sério mesmo que você é mais uma dessas pessoas que demonstram porque não tem coragem para falar?

Corri tanto atrás.
Puxava conversa de maneiras diferentes.
Comentava nas suas fotos. Interagia nos seus stories.
E eu só continuava porque você parecia gostar.
Isso, parecia, nessas horas a gente nunca sabe a verdade, a gente só investe. Falando assim alguém pode dizer: “Mas, às vezes, a pessoa só não tinha o mesmo interesse”. E eu entendo, mas não concordo. Quando dá, afinal, pra gente ter certeza se a pessoa tem interesse ou não? Não é meio óbvio que se ela engaja com as minhas interações é, no mínimo, algum sinal de que, pelo menos, ela gosta de falar comigo? Eu não estou dizendo que estava na cara que a pessoa queria algo, estou dizendo que tudo indicava e que até chegamos tentar marcar de sair. Uma. Duas. Três. Cinco vezes. Mas eu só recebia desculpas: “tá corrido”, “tive um imprevisto”, “vamos semana que vem?”, “vou sair tarde” e outras coisas mais que poderiam ter sido abreviadas, sei lá, na minha segunda tentativa. É foda, sabe?

Sabe o que é o pior? Eu já vivi isso outras vezes. Amigos e amigas já viveram isso outras vezes. Nós estamos fazendo isso uns com os outros. E, depois de tantas vezes, a gente cansa e o nosso limite encurta. 

Hoje eu não quero mais.
Você pode argumentar, mas eu não tenho mais energia para demonstrar meu interesse.
Me desconectei de você. Perdi a vontade de te chamar para fazer alguma coisa. 
Vai ver, no fundo, você realmente estava numa fase instável e até queria me ver mas não conseguia, mas eu não consigo conviver com o “pode ser das coisas” enquanto você não diz nada, então, eu escolhi me recolher e parar de procurar você.

E aí deu desço a timeline vendo outras pessoas postando coisas do tipo: “Falta atitude nas pessoas” e eu viro os olhos para cima, dou uma suspirada e sigo para o próximo post.

Estatisticamente, de um modo geral, ode até faltar atitude, mas quando ela existe a gente não aproveita também – nem que seja aproveitar para esclarecer. A gente não sabe lidar. A gente some, quando não é pior, a gente desdenha.

Eu cansei. Perdi a vontade de verdade. Você não é uma pessoa menos interessante, mas o meu interesse não consegue mais ser o mesmo de antes. É que aprendi, com outras histórias tipo essa antes de você, que eu não devo priorizar alguém em detrimento a mim.  

Sempre há uma vida antes de alguém aparecer.
//
por Márcio Rodrigues.
umtravesseiroparadois@gmail.com