Você chegou.
Estou tão feliz.
Como é bom pode matar saudades que matam a gente.
Planejar o fim de semana.
Programar filmes.
Entrar um pouquinho por dia na vida um do outro.
Coisas simples.
Estou tão feliz.

A última pessoa que passou pela minha vida tinha tudo para ter sido a última mesmo, mas ela acabou sendo só mais uma. Fiquei mal. E acho que fiquei pior por pensar que talvez tenha sido, de novo, a minha intensidade metendo os pés pelas mãos e assustando alguém – ou a pessoa só não queria mesmo, ou só não era pra rolar mesmo. Ou esse monte de coisa ao mesmo tempo, mas a gente sempre acha que o problema somos nós, né? Mania besta.

A verdade é que, agora que você apareceu, gostaria muito que a gente desse certo. Um certo que tipo não precisássemos mais procurar um novo alguém de novo – mas eu não quero te prender na minha vida e é importante deixar isso claro, eu só quero dar motivos para que não precise sair dela.

Queria dar certo com você.
Que a gente conseguisse combinar nossos gostos. Que eu pudesse descobrir um eu diferente e que eu pudesse te ajudar nisso.

Eu nem vivi tantas histórias assim antes da nossa, mas acho que bom senso não demanda experiência. As coisas que eu gosto de sentir são as mesmas que eu tentaria fazer você sentir também. Este é o meu ponto de partida, mas a gente poderia fazer de um jeito nosso – o que, naturalmente, vai acontecer.

Queria dar certo com você porque não queria procurar outro alguém.
A gente se cansa dessa jornada.
Se interessar. Conhecer. Conhecer melhor. Acontecer. Terminar.

É que você chegou, sabe?
Queria dar certo com você.
Entender mais do que você gosta, me empenhar em fazer dos nossos momentos algo que seja bom. Te fazer perguntas. Ser a melhor parte de mim e não esconder a pior. Fazer a gente funcionar. Queria dar certo com você.

Enquanto somos nós, queria dar certo com você.
Contar que não sei muita coisa da vida mas que comigo você pode contar.
Você chegou e eu não queria te ver embora. Queria outro caminho para a nossa história. E esse tanto de “queria” só existe porque o medo alicerça o meu querer; medo de querer sozinho. Isso é algo que preciso melhorar.

Mas é isso.
Você chegou.
Estou tão feliz.
Você também parece gostar da ideia de eu fazer parte dos seus dias.
Queria dar certo com você e transformar meu medo pelo fim em motivação para começar.
O primeiro passo eu já tenho: você chegou.

por Márcio Rodrigues.
umtravesseiroparadois@gmail.com
—-
Deixe seu e-mail nos comentários porque eu quero fazer uma newsletter. Ainda não sei como será mas vai ser. 🙂
beijo.