Não que eu vá me vingar.
Eu não sou esse tipo de pessoa.
Não que eu vá te fazer passar pelas coisas que me fez passar e ainda debochava na minha cara.
Fazer algo parecido seria escolher ser para você exatamente como foi pra mim – e esse tempo eu não tenho.

Você vai se ver comigo.
Mas vai ver de um jeito diferente.
Você vai se ver comigo quando a banda que te mostrei,  aquela que se apaixonou, anunciar show no Brasil – ou até mesmos nos refrões que tocarem nos seus fones. Vai se ver comigo naquele lugar que a gente sempre comia. Vai se ver comigo na temporada nova daquela série que a gente maratonou. Vai se ver comigo em tantos lugares.

Eu não quero que isso pareça uma maldição minha, porque, de fato, não é.
Mas isso é o que acontece quando a gente simplesmente ignora a vida da outra pessoa que vive uma história com a gente. Você optou por me descartar da sua vida e o troco disso vai ser a minha presença nos seus dias sem ser ter um convite.

Quando lembro de como foi o fim, começo a me questionar porque começamos.
Pareceu que você jogou no lixo o significado das coisas que vivemos. Eu não te conhecia mais – ou nunca te conheci direito mesmo.

Você vai se ver comigo.
Mesmo longe estarei em cada um dos seus passos.
Vai ser comigo no som de uma risada que lembrar a minha, vai se ver comigo quando perceber o meu perfume em outra pele no metrô.

Não dá para esquecer alguém, a gente só aprende a não lembrar tanto.
A diferença, no seu caso, é que como você tanto fez pela minha reação, a minha indignação e o meu questionamento sobre as razões pelas quais você me tratava, que isso vai me fazer viver na sua vida por mais tempo que o planejado. Eu não entendi direito a partir de qual momento eu passei a ser seu inimigo e você simplesmente CAGAR para mim – com a licença do termo.

É por isso que eu tenho certeza que você vai rezar para me esquecer mas isso vai demorar para acontecer – se for mesmo. Você vai se ver comigo naquele flagrante de momento em que sentir injustiça para você; vai se ver comigo quando procurar alguém que não vai te retornar; vai se ver comigo quando pedir para conversar e, simplesmente, te ignorarem. Você vai se ver comigo em cada uma das coisas que fez para mim e julgava ser normal, ou dizia que eu “tava viajando”, ou que eu estava cobrando demais por querer entender e todo o resto. Só de lembrar a minha energia se esvai.

Eu estou administrando o que fomos para entender que lugar da minha vida eu vou escolher para você ficar. Enquanto não decido, nada me tira a certeza de que você vai se ver comigo em cada um dos bons momentos que viver e em cada um dos momentos não tão legais assim que viver com alguém – e eu até espero que não precise de muitos para entender como foi pra mim.

Quando a gente termina histórias sem a empatia de que outra vida está envolvida com a nossa, as histórias não terminam dentro da gente. Hoje eu sou uma história em cada passo seu.

por Márcio Rodrigues.
umtravesseiroparadois.@gmail.com