Minha fatura não é paga com saudade

Por isso que já deu.
Já deu de ficar nessas de me torturar como se tivesse volta. E se tiver, vai ter, não adianta eu ficar aqui esperando a hora.
No começo eu tinha certeza que morreria sem você, mas hoje eu estou aqui vivendo melhor do que eu esperava e você, ah você tem um pequeno lugar na minha vida. Tá, até que você tem um bom lugar.
Quando a história acaba, a gente falta acabar com a gente, né?
Naquela época eu ouvia músicas que me faziam ficar pior do que você me deixou. Eu gostava porque era uma maneira de me encontrar e de te trazer pra mais perto de mim. E talvez eu faça isso de novo num outro novo fim que eu possa viver.

Vou mentir se eu falar que vez ou outra não sinto a sua falta, mas sabe, são tantas as coisas que eu sinto que eu acabo ficando sem tempo de dar atenção à falta que você me faz. Seria bobagem eu negar saudade, mas é tão melhor eu comemorar a liberdade da minha nova fase.

Eu bem que continuo sendo a mesma pessoa.
Aquelas manias que conheceu ainda estão em mim: ainda me dá agonia ver um chinelo de ponta-cabeça e me dá um faniquito ver gente abrindo o microondas com o aquele sinal ainda tocando.

Sabe todas aquelas mensagens que me mandou?
Então, lá no começo eu passava horas relendo. Idiota, né? É. É que, de novo, eu gostava de lembrar com a gente se tratava. Eu acha bonitinho, até deletar tudo e nem fazer mais ideia hoje de como era. Fiz o mesmo com as nossas fotos, viu? Não me fazia sentido ter fotos nossas numa fase em que tudo que tenho sentido é força pra te superar.

Queria saber a cara do meu chefe se eu o avisasse que não iria trabalhar porque estava mal em casa com saudade de você. Imagina? Só entende a saudade quem já gostou de verdade. Eu sei disso, mas sei também que o tempo transforma toda essa saudade em uma coisa para se guardar e lembrar de algo bom que foi vivido. Só que uma coisa é lembrar, de vez em quando, outra coisa é viver investigando as redes sociais do outro depois que a história termina, tipo um monte de gente que eu vejo fazer por aí.

Ainda tenho que acordar cedo, lidar com a minha cara amassada no travesseiro, apertar a pasta de dente mais que o necessário, pegar o transporte lotado, enfrentar o trânsito caótico, viver com o guarda-chuva quebrado, enfim, sabe todas as coisas normais da vida de qualquer pessoa? Pois é. Todos os dias vivo cada uma delas e é por isso que não tenho mais tempo pra ficar nessas de: “nossa, por quê acabou?”, “poxa, sdds”, “deixa eu fuçar o insta”, tenho uma fatura pra pagar todo mês do tamanho da dor que me fez viver. E ela não é paga com saudade.

Por isso que já deu.

 

8 Comments

  1. Amei !!!!!!!!

  2. me descreveu.
    tenho muito a fazer. Não tenho mais tempo pra ficar me lamentando. Já deu !! Aliás, “Eu sou a minha melhor companhia!” rs
    Amei os teus textos e já quero o livro. manda pra cá, do outro lado do mundo.

  3. Ai meu pobre coração <3

  4. Irmão de dor e sentimentos. Muito bom !!!

    • Márcio Rodrigues

      8 de setembro de 2019 at 13:26

      É isso. 🙂

      Espero que esteja bem!
      Desculpa a demora em responder, são muitos comentários e pouco tempo. 🙁
      Obrigado por ler. 🙂
      um beijo.
      Márcio Rodrigues.
      @marciorodriguees

  5. Caramba, Márcio, você sempre manda muito bem. Parabéns pelo emoção do texto.

    • Márcio Rodrigues

      8 de setembro de 2019 at 13:25

      Muito feliz por isso, Carolina!

      Espero que esteja bem!
      Desculpa a demora em responder, são muitos comentários e pouco tempo. 🙁
      Obrigado por ler. 🙂
      um beijo.
      Márcio Rodrigues.
      @marciorodriguees

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*