Tem sido difícil acordar. 
O desanimo nasce com as primeiras notícias do dia. 
Como assim isolamento? Por quanto tempo? 
Planos sem previsão para retomar. 
Vaidade escoa pelo ralo durante o banho. 
Dias difíceis demais. 
Mas ainda bem que você existe. 
O problema é que talvez eu não esteja sendo tão legal com você ultimamente. 
Pelo menos não como merece.  
Por isso e por qualquer outra implicância minha, quero me desculpar. 
E dizer que eu não sei como seria sem você aqui para me equilibrar. 
A cabeça de todos deu um nó. Sumiram os parafusos que pouco existiam. 
Encontrar lado positivo em tudo isso é privilégio demais. 
E o meu é ter a sua companhia. 
Sua companhia para eu despejar as frustrações do trabalho e a minha síndrome de impostor. 
Aquela que me faz acreditar que eu não sou bom em nada. 
Te alugo contando as mesmas histórias em dias diferentes. 
E você sempre me ouve atentamente, foca em se colocar no meu lugar e me lembrar que talvez eu esteja sendo injusto comigo. 
Eu esqueço dessa possibilidade. 
Puts. 
Ainda bem que você existe. 
Esse ano me ensinou duas coisas até agora: 
1. O que é quarentena – e não gostei de aprender. 
2. A importância de agradecer. 
A segunda lição é onde estou tentando focar. 
Preciso respirar mais – respirar faz muito bem – e não deixar de te agradecer por todas as vezes que me perguntou se estou bem, como foi meu dia e se eu preciso de alguma coisa. 
Andei pensando que preciso colaborar mais comigo, e assim, com você. 
Preciso aprender a escolher melhor onde colocar minha energia. 
Gasto tempo demais falando sobre coisas e pessoas que não vão fazer a minha vida melhor. 
Tempo demais gastando tempo com coisas que só me desgastam. 
Scrolls por feeds infinitos, para exemplificar. 
Ando me alimentando do que me faz mal e, em tempos como esses, é decisivo entender o que nos alimenta. 
Ainda bem que você existe. 
Para jogar meus olhos para outros lugares, outras coisas, outras pessoas e, todas elas, capazes de me manter de pé. 
Desculpe por te incomodar, por alguma impaciência ou qualquer outra coisa que não te fez bem. 
Seria tolice usar desses tempos que vivemos para justificar. Eu percebi que venho errando. Este é o ponto. 
Mas, para a minha sorte, ainda bem que você existe. 
Este isolamento tem impedido o sol de encontrar a minha pele, mas sua companhia não me deixa esfriar.

//
por Márcio Rodrigues.
@umtravesseiroparadois (textos exclusivos)
umtravesseiroparadois@gmail.com